31/12/2016

Update rápido do mercado

Estamos em fim de época (e de ano) pelo que importa reportar algumas mudanças no mundo do surf:

- John John Florence junta-se à equipa da Dakine em material técnico (aqui).

- A Target deixa de vez o surf. Depois de vários anos com equipa e de ter inclusivamente chegado a patrocinar o Maui Pro, etapa do World Women's Tour, a retalhista norte-americana não renovou os contratos com os compatriotas Kolohe Andino e Carissa Moore. Sobre a sua equipa de skate, não apanhei nada. Acredito que seja uma notável fonte de rendimento que, agora, ficou...seca.

- A Globe comprou 50% da Salty Crew.

Acredito que mais estarão para vir, até porque isto sabe a pouco.

Já agora, bom ano para todos!

21/12/2016

Uma nota sobre a Nazaré e o Nazaré Challenge

Quem se lembra do início da explosão da Nazaré e da sua onda? Quando a comunidade internacional dizia que a onda era má, mole e o que nela se fazia era mais snowboard que surf? O #NazareChallenge, que foi a primeira prova WSL a acontecer na Praia do Norte, mostrou a esta malta uma coisa engraçada: aqueles que lá andam e a desbravaram é que, afinal, têm razão. A Nazaré não é para meninos. Nunca foi e dificilmente algum dia será. Não é chegar, ver e vencer. Não foi por acaso que dos 6 surfistas que chegaram à final, 5 eram repetentes naquela praia. Qualquer pessoa, nem falo apenas de surfistas, consegue ver a potência daquela onda. O público generalista sempre admirou a onda, a sua força, e esta sempre lhe suscitou o medo. As pessoas desde o início admiraram a coragem dos que lá ousam surfar. Estranho como a tal comunidade internacional, que nunca lá tinha estado, tão rapidamente sentenciava a onda. Era só tamanho diziam! Agora, a história é outra. No meio disto tudo, houve quem acreditasse que a Nazaré tem alguma coisa a dar à modalidade. Houve quem tivesse a coragem de querer lá surfar e fazer uma competição e de ondas grandes. O #NazareChallege garantiu que a Nazaré tem mais um capítulo no livro do surf mundial. Na final do evento, estavam 5 surfistas que já surfaram na Nazaré. O outro, o sexto, que por acaso até foi 4º, é o brasileiro Pedro Calado. Entrevistei-o por motivos profissionais e nesta ocasião, admitindo que perdeu a virgindade da Nazaré quando entrou na água para a sua primeira bateria, falou de humildade, revelou-se apaixonado pela vila e comparou a onda a Jaws, Mavericks e Puerto Escondido, considerando a Praia do Norte uma mistura das três. Estava sorridente e com vontade de mais.

Obrigado àqueles que tornaram possível que um novo capítulo começasse e que eu lá estivesse para o virar da sua primeira página.

http://www.surfingmagazine.com/news/the-story-of-damien-hobgood-a-jet-ski-and-a-nazare-teepee/#d0GKwEVFbbffFPL4.97

Michel Bourez e Tyler Wright vencem no Havai


Fotos: WSL

19/12/2016

Josh Kerr e Rusty seguem caminhos diferentes



O vídeo, em cima, serve apenas como prova. Neste caso, dado o ponto na carreira, não sei se se adivinha algum patrocínio em breve. Mas quem sabe! A filha dele, Sierra, é patrocinada pela Roxy...

15/12/2016

Estão a ver o título do post em baixo? Eu estava enganado! Esta é que é a melhor coisa que vi no surf nos últimos tempos



Estes tipo são, provavelmente, o duo mais alucinado deste planeta do surf. Esta entrevista é só rir! Aliás, se têm seguido o Occ-Cast, sabem que o Occy a conduzir entrevistas... É só rir! A esmagadora maioria dos episódios parecem números de comédia. E, depois, juntar o Mason ao Occy... Não sei quem teve a ideia mas essa pessoa merece um prémio, JÁ!

HAHAHAHAHAHAHAH! É como se estivesse mocado sem fumar nada! Eles perdem-se completamente e depois só mexem as mãos mas parecem saber do que o outro está a falar! HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!

11/12/2016

A melhor coisa que eu vi no surf nos últimos tempos



Depois do Hurley Surf Club, este anúncio da Quiksilver é das melhores iniciativas de uma marca de surf que vi nos últimos...anos?

06/12/2016

Tyler Wright vence no Maui e outros momentos mágicos de 2016



Resumindo, a Tyler Wright levou metade do Tour para casa e, neste momento, é a surfista, homem ou mulher, que mais dinheiro fez em competições de surf em 2016.

Sobre o vídeo, Stephanie Gimore, nem vê-la. Que ano desastroso...

Venha 2017!

01/12/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #11

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco! S

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas do Francisco para Dezembro. Groovy!







21/11/2016

O Dane Reynolds é tão relevante hoje como em 2011 (há novo filme)



Honestamente, não me recordo da data do último vídeo do Dane Reynolds. Aliás, o que de mais recente recordo é a sua participação nas etapas do World Tour no ano passado e a escandaleira toda com a Quiksilver. Mas nada disto importa.

O que importa verdadeiramente é que o Dane, o meu surfista preferido, lançou hoje um novo filme. Um quarto biopic, outro quarto surf porno, outro quarto para explicar os últimos anos e último quarto para mostrar que ainda é relevante e que se prepara para lançar uma nova marca (atenção aos últimos minutos).

O meu quarto preferido, é o segundo. É o mais relevante. É o que faz dele Dane Reynolds. É que o surf dele está tão no ponto como sempre. Continua a ser o surfista simultaneamente mais radical e bruto que o surf alguma vez viu. Se o John John é jazz de improviso e o Noa Deane punk de garagem, o Dane é heavy metal. Se fosse equipa de futebol, era qualquer uma treinada pelo Jurgen Klopp. A pressão, a brutalidade, a velocidade. Se fosse carro, não percebo nada de carros.

E a sua edição em vídeo também melhorou (o Slow Dance estava um bocado chato)!

Confiem em mim. Vejam o melhor surfista do Mundo em acção.

AQUI
AQUI
AQUI
AQUI
AQUI

P.S. E, já agora, Stab e Dane, libertem lá o link para o download desta brincadeira. Valeu.





20/11/2016

Olha a Stab a fazer das suas outras vez

Com o aproximar do fim do ano, a rodinha dos rumores está a descer pelos montes do surf mundial e, até cair dentro de água, não vai parar. E, já agora, a Stab é quem deves culpar! Neste post, a revista australiana, que, diga-se de passagem, também vai vivendo momentos atribulados, revelou algumas informações que resumo aqui em baixo. Foquei-me no essencial:

- O Ethan Ewing vai deixar de ganhar pouca guita e começar a ganhar alta guita agora que se qualificou para o Tour. Quem assina os cheques? A Billabong, marca que o patrocina! Suponho e espero que o mesmo aconteça ao Frederico Morais se também se qualificar para o World Tour.

- Quem poderá deixar de ganhar o que está a ganhar agora são o Jack Freestone e o Ryan Callinan, uma vez que estão à beira de cair da elite.

- Taj renegoceia contacto, Parkinson afinal parece que quer ficar mais uns tempos no Tour. Billabong.

- O Griffin Colapinto, que está na Billabong, poderá sair para a Quiksilver. O mesmo pode acontecer ao Josh Kerr, que está na Rusty.

- Também de saída da Rusty estará o Noa Deane que, como já dizia há um tempo o BeachGrit, vai para a Volcom (que entretanto cortou uma boa parte da sua equipa: Quincy Davis, Alex Gray, etc).

- O John John Florence estará a renegociar o seu contrato com a Hurley, contrato este que se especula que será o maior ($$$$$$) de sempre no surf profissional.

- A Fox saiu do surf, deixando o Keanu Asing, Damien Hobgood e Bede Durdbidge sem patrocinador.

- O Mick Fanning está na boa com a Rip Curl, a mesma coisa para a malta que está na Vans.

- A Rip Curl, aliás, está tão na boa que foi buscar a Rosy Hodge, comentadora da WSL e ex-WWT, à Roxy.

- Por último, parece que a marca do Dane Reynolds, Austyn Gillete e Craig Anderson está aí a chegar.

É inegável que esta altura do ano, com todos estes rumores a juntarem-se à corrida aos títulos mundiais e qualificações, é deveres entusiasmante. Oh sim!

P.S. Já agora, quem se lembra de um final de QS tão entusiasmante como o deste ano?

Há que aproveitar este momento para dar força ao momento do Frederico Morais! Bora Kikas, qualifica-te! Foto: WSL

08/11/2016

Mick Fanning sobre 2017: "Não sei!"

Estou preparado para ficar sem o Kelly Slater. Agora, ficar sem o Mick já não me está a parecer bem.

Matt Warshaw sobre Andy Irons

Quando um burro fala, os outros baixam as orelhas. Quando este burro, que considero um dos meus favoritos, fala, eu paro, escuto e partilho convosco.

Entrevista do Matt Warshaw com a Surfer Magazine por ocasião do sexto aniversário da morte de Andy Irons, há dias.

Em baixo, mais um exemplo da clarividência deste tipo:

"The days, weeks, months after Andy died — that stretch of time, to me, is one of surfing’s most shameful episodes. The dengue fever lie, the delays on the autopsy report, the family hiring their own pathologist to say that Andy died “a natural death,” and “there were no other factors contributing to the death” besides a bum heart. In terms of the family, you kinda get where that’s all coming from. But the surf media went along with it, whole hog, everybody went along with it—except Brad, who went out there and dug out as much of the true story as he could. And got slammed on by most people for doing so. So on top of the sadness of Andy dying, our sport ends up covered in embarrassment, as well. That’s how I felt, anyway."

03/11/2016

2017 será o último ano de Kelly no Tour?

Como sempre, acaba por ser difícil perceber se isto é verdade ou não. Ainda assim, tendo em conta partilhou notícias com a informação, arrisco dizer que sim, o que Kelly Slater, 11 vezes campeão do Mundo de surf, publicou no seu instagram, vai acontecer. 2017 será o último ano do careca no Tour.

"(...) Hugely inspired by the young guys on tour these past few months and what @john_john_florence has accomplished this year. So next year I'm gonna get my shit (and my body) together for real and see if I can make a last run at a title. Then I'll go find the best waves on earth til my last day before being freeze dried and used as plant food to make a #Koa and #Monkeypod tree on my property or take the carbon from my ashes and make a diamond from it for my family. (Don't forget to drop some of me in the tube also!)".


P.S. E atenção que ele até já passou a tocha...


Kelly Speech after John John world tittle. By Gonçalo Lopes from Surftotal TV on Vimeo.

01/11/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #10

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas do Francisco para Novembro. 'Bora lá abanar o capacete!







25/10/2016

John John Florence vira lenda: é campeão do mundo e ganha em Portugal

Recordemos apenas que ele começou o ano a ganhar o Eddie Aikau, mais importante evento de ondas grandes no Mundo, e termina o ano como campeão do Mundo. Que ano!

14/10/2016

E, no fim, ganhou...

SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER! SPOILER!

Pyzel.

Mas, o Stab In The Dark deste ano vale a pena ver porque, finalmente, temos meia hora seguida de Dane Reynolds a partir a loiça. Jesus, o homem está a surfar como sempre!

Se não sabem o que é o SITD, eu explico: a Stab pede a um número de shapers uma prancha para um surfista mistério que tem determinada altura e peso. O surfista, neste caso o Dane Reynolds e, no ano passado, o Julian Wilson, experimentam as pranchas. O Julian usou-as uma semana na Austrália, o Dane quase um mês, na África do Sul. Acabado o período de experimentação, há um vencedor. Depois do DHD, ganham o Pyzel. Como se ele precisasse de mais vitórias para o seu negócio...

P.S. O Pyzel é o shaper do John John Florence.

P.P.S. DANE REYNOLDS! YEW!

Dylan


Dylan from FA World Entertainment on Vimeo.

13/10/2016

Está quase aí o filme de Andy Irons



Este é o trailer em versão resumida e ESTE é o trailer completo. Já viram o Kelly Slater a chorar baba e ranho? Reza a lenda que a entrevista que o Kelly deu para este filme teve mais de 5 horas e o careca nem por uma vez se levantou.

O filme precisa de ajuda para chegar às ruas. Se tiverem uns dólares extra no final deste mês, talvez possam deixá-los aqui.

Parabéns Tyler Wright, a nova campeã mundial!

Carissa Moore e Keanu Asing (!) vencem o Roxy e Quiksilver Pro France

12/10/2016

10/10/2016

Isto é de génio e está tão bem feito

Não, não tenho nada a ver com a Hurley. E não, nunca me deram nada. Mas, como disse dois posts em baixo, esta coisa do Surf Club é de génio.







01/10/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #9

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Outubro!







29/09/2016

SKATE! GAY!

Às vezes parece que o mundo não anda para a frente... Mas até anda. E a reacção do mundo do skate tem sido incrível de ver. Pergunto-me se no surf seria a mesma coisa...

12/09/2016

E, como esperado, é a Hurley que se chega à frente e revoluciona o jogo

Hurley Surf Club. O nome é tão previsível quanto bom.

É a mais recente novidade no mundo do surf e, digo sem qualquer medo, a coisa mais revolucionária que uma marca de surf fez desde a aposta na botija de oxigénio para os surfistas de ondas grandes.

O esquema é simples mas brilhante: filmas-te a surfar, envias para a Hurley, os especialistas da marca avaliam o teu surf e dão-te feedback (a outra opção, igualmente esperta, são camps abertos para qualquer pessoa). E quem são os especialistas que te vão LIGAR e enviar um vídeo de análise? Barton Lynch, Mike Parson, Chris Gallagher, Didier Piter, e outros mais.

Sem falar do site, os vídeos, os artigos...

Claro que, no fundo, isto é marketing, mas é marketing inteligente. Não é um anúncio ou uma contratação galáctica (isso foi o John Jonh!). Os miúdos que crescerem nestes Surf Clubs vão crescer com a Hurley. Vai ser crescimento orgânico. E tipos como eu vão ficar admirados com a marca, vão querer saber mais, vão criar um elo.

Honestamente, é fácil de perceber como nenhuma outra marca de surf concretizou isto antes. As marcas de surf raramente fazem coisas verdadeiramente revolucionárias. Já as marcas de desporto... Ou esquecem-se que a Hurley é da Nike?

E isto tresanda a Nike, num bom sentido, por todos os lados. Já viram as apps da marca do Oregon? Os vídeos? O Apple Watch? O know how e o conhecimento do mercado? O bolso sem fundo?

Enfim, não importa, há que dar às parabéns à Hurley...e à Nike.

Para usarem, aqui. Ou vão dizer que quando vão fazer jogging não ligam antes a app da Nike?

E, se quiserem feedback de um utilizador do Surf Club, têm aqui o da Surfing. E, aqui, há outra descrição da brincadeira pela Empire Ave.

De trás para a frente


Growing from Morgan Maassen on Vimeo.

07/09/2016

05/09/2016

La factoria de olas

Já lá vão quatro vezes, quatro anos, no Pantín Classic Galicia Pro. Cada uma delas mais especial que a anterior ou não fosse este, a Galiza, Pantín, um daqueles lugares que cresce em nós. Já com saudades e de olhos postos no ano que vem! Viva a Galiza! Viva Pantín! Viva La Factoria de Olas!

Foto: WSL

Francisco Torres põe o blog a tocar #8

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Setembro (e atenção a quão boa é a primeira! E a segunda! E toda a selecção deste mês!):







Eu gosto deste tipo

09/08/2016

Surf nos Olímpicos

É oficial: o surf vai estar nos Jogos Olímpicos de 2020. A notícia é velha (sorry, estamos em Agosto!) mas importa recuperar porque há dois interessantes artigos sobre a matéria para ler:

Este: http://www.surfline.com/surf-news/the-decision-has-been-made---surfing-will-be-at-tokyo-2020---heres-whats-been-confirmed-so-far-10-things-you-s_140542/

E este: http://www.surfline.com/surf-news/one-mans-humble-opinion-yay-why-i-think-surfing-in-the-olympics-can-be-killer_140484/

Gosto especialmente do primeiro link, que tenta encontrar luz no meio do nevoeiro que, apesar de tudo, ainda circunda esta decisão. Coisas como o processo de qualificação, o número de participantes, papel dos patrocinadores, entre outras.



05/08/2016

Este puto é capaz de ser o surfista em melhor forma nos dias que correm

Ethan Ewing. 17 anos. Australiano, nº2 no WQS, 2º no U.S. Open 2016, já ganhou quatro etapas do pro júnior australiano só este ano e... Bom, põe os braços como o Andy Irons. Não se espantem se o virem no World Tour para o ano. E sim, só tem 17 anos.

Entrevista.

Reflexão.

Caminho no ranking do WQS.

Vídeo:

04/08/2016

O documentário da ESPN sobre o Mick Fanning é bom

A história não é uma novidade mas, verdade seja dita, nunca foi contada assim, com tantos recursos e meios audiovisuais. Vemos os irmãos, gravações da juventude, imagens do acidente que vitimou o irmão Sean... Coisas que confesso nunca ter antes visto. Vale a pena os 25 minutos!

03/08/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #7

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

 São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Agosto:







30/07/2016

Luisito

Mesmo não adorando este tipo de afirmações enfáticas, tenho de dizer que me parece que o espanhol Luis Diaz (que acabou de ganhar o Pro Junior do U.S. Open) é capaz de ser o surfista europeu em melhor forma nos últimos tempos (depois de o Leo Fioravanti ter dominado o arranque do ano e a dupla Frederico Morais/Gony Zubizarreta também ter dado ares da sua graça).

Vitória merecida do Luis Diaz em Huntington Beach depois de ter andado a arrepiar em vários eventos europeus nos últimos meses. Vi-o em acção em Espinho e foi o melhor, não ganhou por pouco. Foto: WSL

22/07/2016

Billabong diz adeus a dois históricos

Eu cá não sou de intrigas mas não me parece que seja grande sinal, pois não? Claro que até podem ter sido eles a querer sair mas, ainda assim, o Dave Rastovich e o Greg Long não são surfistas medianos, pois não?

O Rasta, 20 anos com a marca, eco-surfista de referência, segue para a Patagonia, onde o seu perfil se encaixa melhor que na Billabong. Mas ficam as perguntas: será que a marca "Dave Rastovich" não vendia o suficiente para valer a pena segurá-lo? Será a separação mesmo o melhor para as duas partes?

O Greg Long, 7 anos com a marca, atual campeão do mundo de ondas grandes da WSL, sai de nose em branco. E, também aqui, chega uma pergunta: por que razão é tão difícil vender as ondas grandes e aqueles que arriscam as suas vidas para as apanhar?

P.S. No outro lado da balança, a multinacional foi buscar o francês Justin Becret, uma boa esperança europeia, à Volcom.

Greg Long, a fazer o que faz melhor. Foto: Origin Magazine

01/07/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #6

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

 São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Julho:







17/06/2016

A DC está de volta ao surf



Serão isto boas notícias? O mercado do surf está a dar a volta? Vale a pena a aposta? Estás contente? Confesso que, à excepção do Dane Reynolds, Dude Cruise e das partes do Nyjah Huston (skate!), a DC nunca foi das minhas preferidas.

01/06/2016

O desfiltrado foi ao Porto

Este rapaz tem muita graça, tem tem...

Francisco Torres põe o blog a tocar #5

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Junho:







13/05/2016

Um "desfiltrado" na Liga Moche

Porque gosto de coisas com personalidade e acho isto porreiro. Já tenho vontade de ver os seguintes!

02/05/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #4

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Maio:









Enjoy!

17/04/2016

Tocaram as campainhas XI: o regresso

Meses e meses depois (a última edição foi em Agosto...) eis que as campainhas do Como É Que Está O Surf? voltam a tocar. Felizmente, como espero que saibam, o blog não esteve parado. Houve posts interessantes e, sobretudo, o lançamento do podcast que, espero, seja algo que já seguem e apreciam.

Desde já lamento o atraso na publicação destes posts mas, bom, a vida é assim. A pior parte, na verdade, é que eu continuei a recolher links e links, estando muitos deles agora desactualizados. Isto obrigou-me a uma selecção criteriosa e, dos mais de 300 que tinha posto de parte, sobram menos de cinquenta. Espero que seja uma boa selecção e sacie a vossa sede por saber mais.

Vamos começar pelo assunto do momento?

Não liguem a conversas de Tour, do Wilko ou do Seabass e, muito menos, do Glenn Hall. Ou melhor, liguem, mas não agora. Vamos focar-nos em Kelly Slater, o homem que começou 2016 no World Tour com a sua pior série de resultados de sempre.

Em entrevista, ele repetidamente tira das suas distracções empresariais a culpa dos maus resultados. Mas, por outro lado, confirma que "não tem tomado as decisões correctas" quando está a surfar em competição. Isto soa-me a falta de concentração, logo...distracção, certo? Tirem as vossas ilações nesta entrevista do careca ao site da Red Bull. 

Se não chegaram a nenhuma conclusão, viajem até à Surfer Magazine para lerem a história e verem as fotos de lançamento da piscina de ondas do Kelly. Se tal coisa fosse minha, como poderia andar focado em mais qualquer coisa que fosse?!

Por último, gostei bastante desta reflexão do Justin Housman também no site da Surfer Magazine. A premissa base é a de que o Kelly poderá ser o último "melhor surfista do Mundo". Isto porque, diz o autor, dificilmente voltaremos a ver um surfista que, no seu apogeu, foi tão evidentemente melhor que os restantes. Mas não só. É que o talento nunca foi tão vasto como hoje. Artigo imperdível, rapaziada.

E, já agora, será que ele está mesmo para casar?

Saltamos agora para o outro assunto, intimamente ligado a Slater, que é o a da "reforma" de alguns surfistas do World Tour. Primeiro foi o C.J. Hobgood, depois o Freddy Patacchia, seguiu-se o Tiago Pires (já fora do Tour) e, agora, o Taj Burrow (sigam este link).

Quero destacar sobre o C.J. e o Freddy P, esta entrevista a dois no Surfline. Sigam o link e vão encontrar uma reflexão sobre o tempo que passaram no Tour, conselhos para os jovens que estão a aparecer e, o melhor, opiniões sobre o julgamento na WSL. Um destaque, vindo do havaiano:

"(...) At times I feel like they [judges] are not accountable, and I feel like they should be. But it’s hard, so I came to the conclusion that as a pro surfer, this is what you sign up for. It sucks, but there’s going to be shitty judging; there’s going to be good judging (...)"

Sobre o Tiago Pires, destaque para esta entrevista reveladora e curiosa feita pelo Observador.

Voltando ao C.J., agora acompanhado pelo Dane Reynolds, gostei deste conteúdo da Surfing. Procurei uma passagem mas preferi não colocar nenhuma. Espero que o vídeo em baixo vos convença a ler a entrevista.



Entramos agora no capítulo da competição pura e crua da World Surf League. Mas, antes disso, regressemos aos tempos da ASP e de um dos melhores eventos de sempre no World Tour. E, honestamente, não me podia estar mais a borrifar se concordam ou não com esta afirmação. É evidente que foi um campeonato sem precedentes e que teve fortes e visíveis repercussões no surf contemporâneo.

Senhoras e senhores...

Start spreading the news, I'm leaving today. 
I want to be a part of it, New York, New York.

Depois da cantoria, a estética. Gostam do logo da WSL? Eu até gosto. Contudo, o icónico designer gráfico David Carson não pode com ele e disponibilizou algumas alternativas no site Beach Grit. E, aqui me confesso, há várias sugestões mais apelativas que o logo actual.

Na grafia, não descurem o site da WSL quanto a conteúdos, ok? Vai na volta vão fazendo coisas engraçadas, mesmo que sem grande profundidade. E há também quem goste do que eles andam a fazer em termos de estratégia digital, aqui e aqui. Sendo que, neste último link, há também uma entrevista ao CMO da WSL, onde o dito revela que de acordo com as suas investigações, há 120 milhões de fãs de surf no Mundo. Exagerado? Nãaaaaao...

Agora, se continuarem a pôr a Rosy Hodge de bikini nas transmissões, parece-me que rapidamente vão chegar àquele número. E, entretanto, espreitem esta entrevista da Australia's Surfing Life com a ex-WWT e agora entrevistadora oficial.

Ainda sobre o mundo online da WSL, palmas para Dave Prodan, VP of Communications, que não foge às perguntas do Beach Grit, que o convidou a responder a vários pontos de crítica de uma petição online para tornar mais transparente o julgamento dos circuitos máximos do surf profissional.

Excerto:

"(...) 3. Have the Judges deliver the score within 15-20 seconds from the finish of the ride. Unless a replay is required. 

That’s certainly the goal and it happens the majority of the time. However, the petition’s author is correct – occasionally, replays are required to ensure the score is accurate and within the scale of the current heat. Additionally, there are a number of extenuating circumstances that may delay a score from dropping – multiple surfers up at the same time is a frequent one. However, to track back to the initial point, the judges endeavor to deliver the most accurate score in the fastest way possible on every ride – it’s not only essential to the viewers at home but also to the athletes in the water. (...)"




Regressando ao mundo analógico, será que esta história das t-shirts com os nomes e números dos surfistas faz sentido?

E como é ser o médico de um circuito onde os competidores tentam, antes de vencer, sobreviver? Apresento-vos, com a ajuda da Surfer Mag, o médico do Big Wave Tour.

E quanto a drogas? Há muitos drogados no World Tour? Há surfistas a usar drogas para melhorar a sua performance? E o doping? É real? Traz vantagem? Foram estas algumas das perguntas que a Tracks perguntou ao único homem a que as sabe responder, Joe Barranco da Sports Drug Testing International. Claro, a não perder, aqui.

"(...) How does the actual testing process work within surfing? 

Selections on who will be tested are made by the WSL for both in competition and out of competition testing. All surfers who compete in any WSL event can be tested at any time whether it is at an event or at their home even. 

What about when you are testing multiple athletes at an event? 

Selections can be random or be targeted. This as mentioned is determined by the WSL. But as an example, we might show up at the Quiky Pro and are informed that we are going to test all the losers from the fourth round, or we’re going to do the winner and loser of the final and the winners of the first round. There’s no actual set formula because you are trying to keep the athletes guessing.

However, it’s the WSL who decide when an event will actually be tested? 

Yes 

How have you been received by the surfers? It was a little bit tricky at first until they had a better understanding of the policy and process. But now they are supportive and great with it. (...)"

E porque a última grande rivalidade do surf incluía um drogado (segundo dizem), salto para outro conteúdo da Tracks que tem um título que, por si só, atrai o internauta incauto: Onde foram as rivalidades?!

Destaco agora um assunto que me é querido (algo que já sabiam se têm ouvido o podcast!): as requalificações de surfistas do WT via WQS. A ESPN Brasil diz que isto é uma "brecha" nas regras, o que não é bem verdade tendo em conta a legalidade da coisa, mas, de qualquer forma, é esta a imagem que a WSL quer passar ao mainstream? Um pertinente artigo vindo do outro lado do Atlântico.

E porque há mais coisas boas vindas do Atlântico Este, a beleza do título mundial de Adriano de Souza vista por um americano e por um brasileiro. Notas máximas!

Hey tu! Obrigado por leres o blog do Diogo. És um campeão!
(Porque está o Bill Murray aqui em cima? Descubram aqui.)

Num capítulo totalmente diferente da esfera competitiva, mais uma prova de que a internet contribuiu para democratizar o idiota. Mesmo sendo uma justa campeã mundial, a Carissa Moore teve de apanhar com malta que critica o seu físico. O artigo é, claro, do Huffington Post.

O não-jornalista Sean Doherty diz à Stab que "não há ninguém no mundo do surf a fazer jornalismo". Salvo uma ou outra excepção, tenho de concordar. Por outro lado, há boas entrevistas, como é o caso desta feita no Expresso à Teresa Abraços, surfista icónica da nossa praça.

Aproveitando a boleia da Teresa, destaquemos outras personagens relevantes no mundo do surf, como por exemplo...

... Mark Renneker, protagonista dos já famosos "Playing Doc's Games" de Bill Finnegan na revista The New Yorker, respondeu a algumas questões da Surfer Magazine.

... Morgan Masssen, que, apesar da sua juventude, é um dos fotógrafos de surf mais marcantes dos últimos dez anos, e, aqui, fala um bocadinho do seu método.

... Michael Oblowitz, o realizador do polémico, incendiário e controverso Sea Of Darkness, numa entrevista sobre este filme à Surf Europe.

... Mike Stewart, o Sr. Bodyboard e um dos mais influentes surfistas de sempre, em entrevista ao Público.

... Harley Taich, jovem que era uma das melhores surfistas dos Estados Unidos da América até uma concussão ter travado a fundo a sua carreira. Foram precisos quatros anos (!!!) e um artigo da própria na revista juvenil Seventeen para a sua história ser contada num órgão de comunicação do surf. Como se as concussões nem estivessem na ordem do dia no surf ou no desporto de uma forma geral.

... Ace Cool! Ace Cool! Que nome! Obrigado, Encyclopedia Of Surfing!

... as mulheres que surfam ondas grandes e que estão a fazer um crowd funding para conseguir percorrer o planeta atrás dessas ondas. Alguém as patrocine, porra!

... Hayden Cox, jovem shaper da multipremiada prancha Hypto Crypto, que, das duas...as duas! Abriu a mais estranha surf shop de sempre E revolucionou a forma como se vendem pranchas.



Aproveitando que se fala no futuro, atenção à existência de cientistas na Califórnia que estão a estudar o surf de forma profunda e...científica. E desenvolveram um Surf Lab. A Surfer Mag explica tudo.

E para um futuro melhor... O mundo está cada vez mais liberal e mais justo, pelo que é tempo de os desportos de acção começarem a resolver os seus problemas de descriminação. A próxima etapa? Homossexualidade.

Termino por hoje com três saudações:

1 - Uma saudação à revista ONFIRE por disponibilizar online e de forma gratuita as suas edições anteriores à em banca.

2 - Às autoridades bascas por, finalmente, consagrarem Mundaka como uma Reserva de Surf.

3 - Ao fotógrafo Aaron Checkwood pelo seu notável trabalho fotográfico de duplas exposições que cruzam ondas e flores.

Esta edição das campainhas é extensa, eu sei. Espero que aqui cheguem satisfeitos. Até às próximas!

Sebastian Zietz e Tyler Wright conquistam o Drug Aware Margaret River Pro


Fotos: WSL
E a confusão de resultados, ranking e etc, continua... Todos acreditam que podem ganhar! E podem!

15/04/2016

Nazaré no Big Wave World Tour da WSL



Disto, para o ano, em competição. E em remada. As novidades todas, em versão alargada, aqui. Em resumo:

"Here's the breakdown for the 2016/2017 BWT season:

CHAMPIONSHIP SERIES
$100,000 prize purse for each event;
$100,000 awarded to tour champion.
24 athletes: 2015/2016 Top 10 + 1 injury wildcard + Top 4 Big Wave Award performers + 6 regional wildcards + 3 BWT wildcards

Southern Hemisphere
Window: April 27, 2016 - August 31, 2016
Events: Punta de Lobos Challenge, Billabong Pico Alto, Puerto Escondido Challenge

Northern Hemipshere
Window: October 15,2016 - February 28, 2017
Events: Nazaré Challenge, Pe'ahi Challenge, Todos Santos Challenge

QUALIFYING SERIES
Top two ranked surfers will qualify for 2017/2018 season.
Window: October 15, 2016 - February 28, 2017
Events: Oregon, Punta Galea

WOMEN'S CHAMPIONSIP
$30,000 prize purse;
Contested by athletes picked by the commissioner's office
Window: October 15, 2016 - February 28, 2017
Events: Pe'ahi, Todos Santos"

09/04/2016

O meu primeiro surfista preferido retira-se em Junho

Enfim

Some fun waves at main break after the contest got called off. 󾠁 Peter King

Publicado por John John Florence em Sexta-feira, 8 de Abril de 2016

03/04/2016

Ainda sobre o Mick Fanning...

... quero destacar um texto de um visitante brasileiro deste blog (cadê, João?). Com um olhar analítico e sensato, duas características que poucos sabem dosear naquilo que observam, o João explica, aos mais distraídos e aos que assim não sabem explanar, a beleza do surf de Mick Fanning. E não só.

O João explica também o que torna Mick numa figura tão fascinante e num surfista, aqui em palavras minhas, dos mais influentes na história da actividade. Confesso que, apesar de sempre me ter sentido sensibilizado pela história do australiano, só depois do seu primeiro título mundial me tornei fã confesso e torcedor.

Ainda sobre o texto do João, atentem nos dois primeiros parágrafos e de como o paralelismo serve de reflexão para tanta coisa nos dias de hoje.

Imperdível e está AQUI. Juntem aos vossos favoritos.

Souplesse. Foto: Ryan Miller/Red Bull Content Pool


Notas de Bells Beach #3: Mick Fanning vai de férias


Enquanto decorria a final, Mick Fanning de cerveja na mão, lado a lado com Glen Hall, treinador do Matt Wilkinson (que, por esta altura, já tinha uma mão no sino).

Choremos. VOLTA MICK!!!

Courtney Conlogue e Matt Wilkinson (!!!) vencem o Rip Curl Pro Bells Beach


Fotos: WSL

01/04/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #3

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

São 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Abril:

!!! - Every Little Bit Counts

Jessy Lanza - It means i love you

sallim - deserto

Sensible Soccers - Bolissol

Enjoyyyyyyyyyyyyyyyyy!

28/03/2016

Notas de Bells Beach #2: Rookies

Esta é a (segunda) melhor classe de rookies dos últimos dez anos. Alguém tem coragem para o negar? Venham de lá esses argumentos.

A primeira, claro, foi a do Gabriel Medina e John John Florence.

27/03/2016

Notas de Bells Beach #1: Ho Ho Ho

Ho ho ho, o Pai Natal chegou mais cedo e na forma de um havaiano de pouco mais de um metro e sessenta.

Este Mason Ho tem muito que se lhe diga.

16/03/2016

Notas da Gold Coast #3: Matt Wilkinson

A festa vai ser rija...

Notas da Gold Coast #2: Filipe Toledo

Era uma questão de tempo até acontecer mas é também uma infelicidade tremenda. O surf que ele faz é propenso a este tipo de lesões e dos grandes no Tour, ele era o único que ainda escapava...

Melhoras rápidas ao Filipe Toledo e que esteja a 100% no Rio para revalidar o título.

Matt Wilkinson e Tyler Wright ganham o Quiksilver/Roxy Pro Gold Coast

Por ser tão baixo, o Glenn Hall não aparece na foto. Foto: WSL

14/03/2016

Notas da Gold Coast #1: Stu Kennedy

Mas que vida é esta em que o Stu Kennedy é o surfista mais entusiasmante em prova no Quiksilver Pro Gold Coast 2016, hein?

A manter debaixo de olho. Jesus, aquelas manobras de arranque...

13/03/2016

Chamem-lhes espertos que eu chamo-lhes burros

Esta mania da Stab de obrigar os utilizadores da internet a ver os seus melhores conteúdos - ver os posts em baixo - no site deles (ou no Vimeo...) é extremamente irritante. Podem chamar-lhes espertos por causa do tempo gasto na página e publicidade e etc. Mas eu, que quero partilhar estes vídeos convosco e sei que seria mais confortável vê-los aqui, chamo-lhes burros.

Vá lá, Stab, facilita..

Beach Chair: Conner Coffin, right now


Beach Chair: Conner Coffin, right now from STAB on Vimeo.

#TOURNOTES: The Coaches Edition


#TOURNOTES: The Coaches Edition from STAB on Vimeo.

WSL a partir nos vídeos de qualidade



11/03/2016

#GoodLuckKanoa



Esteja ou não preparado para o Tour (ainda está por ver), o Kanoa parece ser um tipo porreiro. E é interessante saber que vai ter o Jake Patterson e o Tom Whitaker ao seu lado ao longo do ano.

09/03/2016

Old vs new: Snaketales vs Tour Notes

Como diz o tipo dos Simpsons, "What a time to be alive!". 

Depois das Tour Notes de Peter King com a equipa da Hurley (+ Kelly Slater e Ross Williams), chegam-nos agora as Snaketales do Jake Paterson com a equipa da Quiksilver do WQS (para já..). Se a primeira série é um sinal dos tempos, com imagens em HD, trilha, som limpo, conversas tratadas, surf bem filmado e usando um estilo de vídeo bastante actual (até com alguns toques de Snapchat), a série começado pelo The Snake é o oposto, fazendo lembrar uma mistura entre os Sarge Scrapbooks e os filmes de Taylor Steele. O que importa é estar lá e apanhar o surf como ele é. Provavelmente, o Snake já filmava o surf para efeitos de treino e agora, sabendo do sucesso da série da marca rival, começou a filmar momentos de lifestyle, juntou tudo sem grande cuidado, mete umas gargalhadas pelo meio, beneficia do acesso privilegiado e está feito. Regressa um bocadinho da vibe pós-punk do surf e adequa-se ao novo lema da Quiksilver. É divertido mas... Pá, sou praticamente millennial, achou que prefiro as Tour Notes. 

Digam-me as vossas preferências!


Ri-me


03/03/2016

Francisco Torres põe o blog a tocar #2

O Francisco Torres é um amigo meu que percebe muito mais de música que eu. É um tipo porreiro, viajado, influenciado musicalmente por de onde veio, onde passou e onde está. Pelo menos, eu acho isto. Não sei sei se ele concorda. Também tem um pé esquerdo capaz do ocasional dribble diabólico. Anyway, está sempre a postar música esquisita, diferente e verdadeiramente alternativa no seu Facebook e foi muito amável ao aceitar o meu convite de começar a partilhar essas suas preferência musicais aqui. Obrigado, Francisco!

Serão 4 músicas por mês e estas são as escolhas para Março:

Sean Riley & The Slowriders - Dili

Katy B x Four Tet x Floating Points - Calm Down

Junior Boys - Over It

Diiv - Dust

Enjoyyyyyyyyyyyyyyyyy!

26/02/2016

Chegou a hora: Tiago Pires retira-se da competição internacional

Entrevista com o surfista no site da WSL.


Que o vejamos em mais e melhores destes. E, sobretudo, com o surfista do post em baixo, o seu amigo Mick Fanning. Foto: Ricardo Bravo