07/02/2015

Nuno Jonet à revista do DN: "Estou a ouvir neste momento, como se fosse há cinco minutos, mas foi há 41 anos, os gritos do Randy a dizer «get behind the white water, get behind the white water»"

Uma porreiríssima entrevista de Catarina Pires ao Nuno Jonet, nome incontornável do surf português,  e, acima disso, gente boa.

"No início, éramos meia dúzia, andávamos sempre à procura de al­guém para não surfarmos sozinhos, hoje é preciso ser artista e ter um zebro [ri] para fazer uma onda só com amigos. Foi uma época de muito maior partilha e paixão, era tudo mais genuíno porque não havia agen­da por trás. Não precisávamos de convencer pre­sidentes de câmara de coisa nenhuma. O surf era uma subcultura e agora é mainstream. Éramos vistos como drogados, contragrão, malucos e agora somos quase sal­vadores da pátria. Começámos a ganhar respeito com os salvamen­tos. E as primeiras pessoas a considerarem-nos foram os pescado­res, que nos chamavam corredores de ondas e diziam que os tipos das pranchas não apanhavam peixe nenhum mas eram gajos fixes."

Para continuar a ler, aqui.

Sem comentários: