20/01/2015

Destroçado



Estou destroçado. Não consigo dizer mais. O silêncio tomou conta da minha boca e só os dedos mexem. Estou destroçado. Alguém me explique como é possível que desconhecidos consigam arrancar lágrimas dos meus olhos.

Tive a sorte de o entrevistar em 2012:

SURFPortugal - Disseste recentemente à revista americana Surfer que queres ser conhecido como um bom surfista, mais do que um surfista só de tubos ou aéreos. Contudo, são os teus resultados em ondas tubulares que têm chamado à atenção. Como é que explicas a tua relação com os tubos? Como ficaste tão bom?
Ricardo Dos Santos -  Eu tento sempre ser um surfista completo mas é verdade que há certo pontos que se destacam mais. Não sei dizer como fiquei bom em tubos, acho que foi apenas surfando e tornando-me mais intimo das ondas pesadas, mas nunca treinei nada em especial. Também moro em um lugar que geralmente tem bons tubos, o que ajuda.

SP - Quando eras miúdo, para quem olhavas como ídolos e de quem retiravas a técnica para saber como entubar? Quem é para ti o melhor surfista de tubos de todos os tempos? E o melhor surfista brasileiro em tubos?

RS - Sempre me inspirei muito no Andy Irons. Foi uma grande inspiração, tanto como o surfista mais completo quanto como o melhor tube rider. No Brasil, acredito que o Bruno Santos é hoje o melhor. 
SP - Para um surfista que se apresenta como freesurfer, contas já com alguns bons resultados em competição. Noronha, Teahupoo, Pipeline… É por serem ondas de tubo?
RS - Também! Mas acredito que surfar sem pressão e com tranquilidade traz bons resultados. Claro que o fato de as ondas serem tubulares ajudaram bastante! (risos).

SP - Não é todos os dias que um surfista brasileiro recebe um wildcard para participar em Pipeline, aliás, é algo bem raro. E também tenho notado no webcast que os comentadores americanos falam de ti com carinho e dizem que te estás a tornar num dos melhores surfistas de tubos do Mundo. Sentes que te reconhecem e respeitam? Como é que olhas para esta oportunidade dada pela Billabong de entrares no Pipemasters?
RS - Acho que é o ponto alto da minha carreira até o momento. Batalhei muito por este espaço e foi com muita humildade que o consquistei. Acredito que é por causa disso que hoje os média internacional me reconhecem como um bom surfista de tubos. Olhei para esta oportunidade como sendo a melhor possível. Fui com muita raça e vontade de ir bem. 

SP - Eliminar o Kelly em Teahupoo foi um dos pontos altos do teu ano… Quão difícil é surfar contra ele numa bateria e mais ainda, virar essa bateria no último minuto, algo que costuma ser ele a fazer, não outros surfistas contra ele?
RS - Foi muito bom. Todos querem vencê-lo e ter esse merito não é para muitos. Mas não vejo isso como algo impossível de se repetir porque mesmo ele tem dias bons e dias ruins. Vou continuar no meu caminho e se nos cruzarmos novamente, vou com a mesma vontade de vencer. 

SP - Qual consideras ter sido o ponto mais alto deste teu ano?
RS - Ganhar o "Andy Irons Forever Inspirational Award" [NDE: prémio atribuído ao surfista mais "commited" de toda a prova. Em 2011 foi ganho por Jeremy Flores] foi o ponto alto não só do meu ano, como também da minha vida como profissional.

SP - Quando chegaste ao North Shore e quanto tempo vais ficar aí? Achas importante um surfista ficar no Havaí o máximo de tempo possível? E sentes que já ganhaste o teu lugar no outside, os locais olham para ti com respeito, mesmo sendo surfista brasileiro por causa as questões de localismo?
SP - Cheguei no dia 5 de novembro e fico até dia 5 de fevereiro. Sim, no Hawaii temos a chance de surfar quase todos os dias, o que poucos lugares do mundo proporciona. Acho que muitos locais já sabem quem eu sou mas eu não fico viajando nisso. Acredito que se continuar no meu caminho, com respeito e tranquilidade, nada de ruim virá na minha direção. Não acredito nesse tipo de preconceito contra os surfistas brasileiros.

SP - Até onde queres ir com o surf profissional?
SP - Quero vencer o PipeMasters e tornar-me num grande representante do meu país no surf internacional. Mas acima de tudo, continuar a ter uma vida feliz, com saudades, viajando e aproveitando cada momendo para evoluir como ser humano. Nao valorizo muitos títulos mas o de Pipe atrai-me muito (risos)! Por Diogo Alpendre

1 comentário:

Camera Gopro disse...

temos que acabar com idiotas que se acham Deus e podem matar pessoas do bem por besteira.. a lei deve mudar no Brasil...lamentável..