26/03/2014

Duas coisas sobre a vitória de Gabriel Medina

Duas coisas sobre o Quiksilver Pro Gold Coast são para mim claras como água: Gabriel Medina não ganhou a final contra o Joel Parkinson e estou contente que Gabriel Medina tenha ganho o Quiksilver Pro Gold Coast. Parece paradoxal, mas não é. Vamos por partes.

Foto: ASP/Cestari
Joel Parkinson foi o melhor surfista do campeonato. Dos quartos em diante, como já vários analistas disseram, ninguém surfou como ele. A aposta nos tubos e a forma como os surfou, aplicando logo a seguir as curvas que o caracterizam, não encontram rival no derradeiro dia da etapa inaugural do World Tour. Na final, Parko voltou a fazer o mesmo, só não teve o mesmo resultado que nas suas baterias anteriores. É para mim difícil explicar o motivo pelo qual não ganhou e creio que a resposta reside algures no facto de Medina ter sido o segundo melhor surfista da prova e ter chegado à final como aquele - brasileiro! - que eliminou Mick Fanning e Taj Burrow (justamente). Curiosamente, consigo encontrar com facilidade a justificação para a vitória do Parko, sobretudo se olhar, apenas, para as duas melhores ondas de cada um: a distância entre o 9 do aussie (da ponta do pointbreak, o bom tubo e as exemplares curvas) e o 8.5 do brazzo (a meio do pointbreak, uma mesma série de manobras boas), devia ser, pelo menos, o dobro do que foi. Pelo menos. Logo aí, Parko teria ganho. Era o suficiente. E o justo. Bem sei que a colocação na onda (e, como tal, o seu comprimento) foi a simplória justificação/incompreensão dada por Joel mas...é parte da justificação. Qualidade sobre quantidade claro, mas com calma.

Estou feliz por Gabriel Medina. Seja Deus ou o Instinto, nada melhor podia ter acontecido ao surf profissional na era da Nova ASP. Goste-se ou não, a ASP mudou, refrescou (?)...mas os candidatos são (eram?) sempre os mesmo: Kelly Slater, Mick Fanning, Parkinson e Taj Burrow. E nem me atirem à cara Jordy, Julian ou John John: o Quik Pro mostrou bem por que razão não são candidatos. E Adriano, bom, é um mistério. Num dia pertence ao primeiro grupo, no outro o segundo assenta-lhe que nem uma luva. Já Gabriel tem muito do segundo grupo mas acredito que tem mais do primeiro: Gabriel não perde graças a erros parvos de prioridade ou por esperar demasiado (ele nunca espera demasiado, antes pelo contrário, apanha ondas demais!). Medina incorpora aquilo de que a nova ASP precisa e ele, nalgum nível de consciência, sabe-o. Se não, depois de já várias vezes ter admitido que não percebia como se surfa Snapper, como explicar que na Austrália, este ano, elimine Taj, Fanning e Parko?! Tal como em 2011, o jovem prodígio voltou a vislumbrar a solução do labirinto. Se em 2011, bastava andar em frente (a novidade era tal que isso era permitido) destruindo todas as paredes, depois há que percorrer os vários caminhos de mão na parede, confiando que chegará ao fim com sucesso. Desconfio que em 2013 Gabriel já sabia isso mas a desafortunada lesão sofrida em Snapper Rocks foi mais preponderante do que ele, a sua família e patrocinadores alguma vez admitiu.

É difícil antecipar o que vai acontecer em Margaret River daqui a dias e no resto do ano. Mas algo me leva a pensar que é melhor Jordy, Julian e John John começarem a tirar apontamentos.

Medina sabe perfeitamente o caminho de A até B.

20/03/2014

Allianz Caparica Pro



Este fim-de-semana estou pela Costa da Caparica na primeira etapa da Liga Moche 2014 (campeonato nacional de surf), o Allianz Caparica Pro. Se quiserem, vejam tudo em http://surf.moche.pt/liga-moche/live.aspx.

21Days: Burrow/Kerr, Episode 1

17/03/2014

No Edit by Alex Botelho

Há uns tempos estava a ter uma conversa com uma pessoa da indústria de surf que me dizia - como se tu ou eu já não tivéssemos nisso reparado - que para se ter sucesso enquanto surfista profissional era necessário "personalidade", "carácter", "algo que te distinga dos outros".

Uma vez que nem todos têm a sorte (será?) de chegar ao World Tour (e mesmo isso não dá garantia de uma vida descansada financeiramente), os que não lá chegam ou são revolucionários (Dane Reynolds), ícones de estilo (Craig Anderson), "diferentes" (Dion Agius), lendas (Rob Machado), monstros em ondas XXL (Shane Dorian), ou acabam em agentes imobilários (Mick Lowe), agentes de apostas (Luke Munro) ou são absorvidos pela indústria (errrr...onde começar?).

O algarvio Alex Botelho, surfista que só levanta ondas com as lecadas que manda dentro de água, nunca teve grande sucesso competitivo. Mas tem personalidade e talento em barda e as marcas que o patrocinam encontram aí um motivo para serem isso mesmo: patrocinadores. Se o que é capaz de fazer quando está a surfar nunca está, ou esteve, em causa, aquilo que carrega consigo, chamemos-lhe aura, é algo que hoje, mais do que nunca, tem um valor acrescentado para a indústria. É algo que se vê quando com ele se fala, quando se vê a tranquilidade com que vive e que se vê, também, nos vídeos que lança, da série "No Edit", cujo mais recente episódio, o quinto, aqui em baixo deixo (recomendo que vejam também os anteriores). E a melhor parte da aura do Alex é que é genuína. Não é fruto das roupas da moda ou da atitude hipster que hoje abunda e da qual todos (Diogo, estou também a apontar para ti!) somos culpados.

Personalidade, atitude e genuinidade, só podiam dar numa carreira de sucesso, mesmo que seja apenas de nível nacional. Alex, tens aqui um fã.

The Inertia's HEADSPACE: Taylor Knox

15/03/2014

#TOURNOTES: Golden Goldies



Já disse quanto gosto destas #Tournotes? É que gosto mesmo. Simples mas capaz de entreter com categoria. E é um mero olhar behind the scenes ao que se passa na equipa da Hurley. É assim tão difícil fazer o mesmo, outras marcas?

08/03/2014

Questão

Pergunta - e bem - a Red Bull, numa recente peça no seu site dedicado ao surf, "The new ASP has seen the focus shift to contest surfing — but what does this mean for freesurfing?".

Eu quero e vou dar a minha resposta, contudo, antes, gostava de saber a vossa - para voltarmos aos tempos de dinâmica aqui do blog.

Leiam a peça da da autoria do Brian Roddy AQUI e depois digam-me qualquer coisa.

Golden Tales 2: Quiksilver Pro Gold Coast Freesurf Sessions



Agora, com Tiago Pires.

03/03/2014

Playmates skating


naked playboy playmates skatelab por jenkemmag

5 fins-de-semana por ano: Liga Moche 2014



Durante 5 fins-de-semana por ano, faço os comentário do webcast da Liga Moche, o campeonato nacional de surf, produzido pela Medialuso, gerido pela Go-S.tv (que fez este trailer) e organizado pela Fire!.

Fiquem ligado para datas, sites e outras cenas. Obrigado!

Diogo aqui do blog