25/12/2014

Sally Fitzgibbons de nose em branco

Uma das mais emblemáticas parcerias do circuito mundial feminino chegou ao fim: a australiana Sally Fitzgibbons, sem dúvida uma das melhores surfistas do Mundo, e a Roxy, a reputada multinacional do grupo Quiksilver, terminaram a sua relação. O adeus oficial foi dado pela surfista no instagram. Ficam algumas perguntas: quem quis terminar? Por que não deu para renovar? Vem alguma coisa aí? Fiquemos à espera. Se ficar de nose em branco e ninguém se chegar à frente, é ultrajante e a indústria do surf bem pode ir arder para o Inferno. De qualquer forma, é inegável que parecia haver claros problemas de concorrência "intra-marca" entre a Sally e a Steph, duas surfistas quem têm entre elas a mais acesa, física e saudável rivalidade no Tour. Assim sendo, e sabendo que a Sally é acima de tudo uma atleta (cujo brutal retorno é inegável), não me espantaria que tivesse sido ela própria a deixar a marca. Até porque a Roxy nunca escondeu quem é a menina dos seus olhos...

Foto: @sally_fitz

02/12/2014

Adventure Of Dreams: The Guichard Brothers

Adventure Of Dreams - The Guichard Brothers from EYEFORCE on Vimeo.

Se me dissessem "Diogo, queremos uma reportagem de viagem sobre e com um grupo de surfistas interessantes. Escolhes quem quiseres, passas uma semana com eles e contas a sua história" muito provavelmente escolheria os manos Luca e Joackim Guichard e o Alex Botelho. Já fui falando sobre esta turma algarvia aqui no blog algumas vezes, portanto, sabem ao que vão quando carregarem no play do vídeo em cima (o ideal, até, será já o terem feito e estarem a ler isto depois mas...prevenindo...). Esta malta tem boa onda!

11/11/2014

Tati in Tahiti

Antes de mais, quero dar os parabéns à Body Glove. Miúdas como a Tatiana Weston-Webb - e as miúdas no geral têm o direito, a beleza, o talento e até os títulos (a Tati, por exemplo, foi duas vezes campeã mundial júnior da ISA) para fazer viagens destas e estar envolvidas em projectos destes. Certo, podem dizer que o vídeo não está nada de mais, as ondas são pequenas e nenhum dos surfistas é particularmente conhecido...mas será que isso importa? A resposta é não e é não porque é raro ver uma marca a apostar numa miúda, ainda mais raro ver uma marca apostar assim numa miúda e consegue consegue ser ainda mais raro ver uma marca apostar assim num projecto com uma miúda. Por isso, parabéns Body Glove e boa sorte para o próximo ano no Tour, Tati. Sim, porque em cima disto tudo está o facto da Tatiana ser uma óptima surfista. You go girl!

08/11/2014

Será que este vídeo explica de uma vez por toda a questão das rotações?

Trick instructions, for surfers. from pierre on Vimeo.

Eu, curto.

Mais uma prova de que o Julian é um tipo profundamente inseguro



E, ainda, sobre este vídeo... Impressionante como o Julian Wilson consegue fazer mais um vídeo em que 1) não é o que faz o melhor surf (Dusty Payne outra vez!!!! Tal como no Scratching The Surface!!! ); e 2) não acaba com uma onda sua. 

Das duas, uma: ou Julian é muito bonzinho e não consegue pensar sobre as coisas ou então tem um caso com o Dusty! I mean, eu sou muito amigo dos meus melhores amigos mas também não tenho de lhes salvar as carreiras...

05/11/2014

Impressões de Peniche (parte 2) e de um mês e meio cheios de surf

Depois de um mês e tal em contacto com o melhor do surf que há lá fora e cá dentro, é inevitável ter algumas coisas à apontar - tanto de boas como de más. Tinha pensado ir fazendo alguns apontamentos directamente dos vários eventos onde estive mas isso acabou por acontecer apenas uma vez, em Peniche. Podia pedir desculpa mas a "culpa" é do trabalho e não me posso - nem vou - queixar: tenho a sorte de trabalhar. Mas bom, deixemo-nos de coisas e vamos ao que interessa:

Algumas coisas a salientar sobre o último mês e picos

Sobre o SATA Airlines Azores Pro e o Cascais Billabong Pro, substituam ao famoso lema futebolístico "11 contra 11 e no fim ganha a Alemanha" os números e o paíse e têm a sua fórmula (e a de maior parte dos Primes): há sol e chuva, há ondas boas e más, os eventos queixam-se e adoram, mas no fim ganha um surfistas brasileiro (e no caso de Cascais, o mesmo brasileiro).

Não há nenhuma surfista no World Women's Tour da ASP como Stephanie Gilmore. Se em vídeo ou televisão a sua graça em cima da prancha é já inigualável, ao vivo, no Cascais Women's Pro, as pernas mais bonitas do circuito (como as descreve Júlio Adler) são ainda mais graciosas. Tratando-se a Bafureira de um pointbreak de direitas, Steph assumia-se como favorita...e Sally Fitzgibbons também, ou não tivesse já lá ganho vários eventos. Ambas só se cruzaram na final, a sorte sorriu a Steph e a já 5 vezes campeã mundial está cada vez mais próxima do merecido sexto título. Mas uma coisa é certa: ninguém surfou melhor em Portugal que Sally Fitzgibbons...e ela sabe isso. Triste, sentindo mais um título a escorregar-lhe entre os dedos, Fitzy abriu com raiva uma garrafa de champanhe para cima de Steph na entrega de prémios. Eu cá não sou de intrigas mas parece-me que as mais físicas rivalidades do mundo do surf se travam hoje em dia pelo circuito feminino.

Peniche é hoje, e desconfio cada vez mais, um evento de surf para além de uma competição de surf. Uma das provas disso é os brindes que o público busca incessantemente e que passo a enumerar: Panfletos, brochuras, crepes de sardinha e cavala, experiências virtuais, massagens, experiências das possibilidades da GoPro, sacos, fitas, vinho, cinzeiros, lenços, mochilas, almofadas, ponchos, pinturas corporais, bolachas, bonés e t-shirts costumizados, carregamento da bateria de telefones, pranchas insufláveis, cadernos de autógrafos, tatuagens temporárias, sangria, boleias, posters, sandes e tábuas de comida. Outra prova são as centenas de equipas media que por lá passaram. Centenas (e sim, estou a falar com conhecimento de causa). Mais uma prova, como se fosse preciso, são as acções do social que por lá vão acontecendo, sobretudo ao fim-de-semana. Cor-de-rosa. *Suspiro *

Sobre Gabriel Medina, deixo aqui algumas impressões que fui transmitindo a amigos: "é engraçado porque eu achei mesmo que ele ia conseguir o título em Peniche. Acho que ele próprio também o achou mas ele estava nervoso e cometeu o erro capital de o confessar na conferência de imprensa. Foi aí que as coisas começaram a correr mal. Ele, no fundo, teve a sorte de o Kelly também ter perdido. O Kelly jogou muito bem mas esqueceu-se de ganhar ao Artiz, tal como o Gabriel se esqueceu de ganhar ao Brett. Daí o Kelly ter partido a prancha: imagina teres acabado de driblar o guarda redes e depois chutares a bola para trás. Não sei, se calhar estou a romancear". "Coitado do miúdo. Claro que se estava confiante e claro que perdeu para o brett simpson (logo esse...). Todo o mundo fazendo dele campeão (até a Moche!), ele sentiu-se campeão!...e vacilou. Acontece. E a pressão era tremenda." "Não acho que haja qualquer tipo de dúvida no julgamento. A única dúvida que existe é por que razão o Gabs saiu da água tão cedo. Eu arrisco dizer que a insatisfação quanto à notas dadas pelos juízes foi a desculpa arranjada de cabeça quente. Acho que ele sentia enorme pressão e ali sentiu até um alívio. Ao fim do dia ele estava a a rir e a jogar ping pong no hotel."

A mãe do Gabriel, Simone, é muito simpática. Entre toda a entourage presente em Peniche, que era grande, ela é a mais aberta a conversar com estranhos como eu...e conversou. Falámos da derrota do Gabriel, da estrutura da ASP, das intenções da ASP, do feitio do Gabriel e da amizade que o seu filho tem com John John Florence: "são muito parecidos".

Se é escusado falar do quão notável foi o resultado do Vasco Ribeiro nos Allians World Junior Championships, convém falar dos outros dois portugueses em destaque: Tomás Fernandes e Miguel Blanco. Não considero (considerava?) que Tomás seja um dos três melhores surfistas sub21 do Mundo mas eis que chega o maior campeonato de miúdos à sua praia e ele se coloca nesse estatuto. Claro que conhece a onda, as suas manhas e secções, mas o surf que ele apresentou foi mesmo dos melhores do evento. Como várias vezes destaca o Seleccionador Nacional (e treinador do Tomás) David Raimundo, os surfistas portugueses muitas vezes perdem por ter um surf mais de linha enquanto os seus adversários têm um surf mais explosivo. Por uma vez foi bom ver a situação inverter-se...e Tomás foi a prova viva disso. Quanto ao Miguel, perder com um score de acima de 16 pontos não é para todos e não fosse o seu adversário também estar em dia sim, arrisco dizer que o cascalense também tinha ido longe. Boa Vasco, Tomás e Miguel!

Já que estamos na temática dos WJC, pergunto-me, ainda que de forma algo sensacionalista: estará o futuro do surf feminino em causa? Não para Portugal, que tem Teresa Bonvalot, mas para o resto do Mundo? A havaiana Mahina Maeda, que venceu a prova, é boa surfista, tal como as australianas Bronte Macaulay e Keeley Andrew. Mas...e o resto? Vou ser honesto, mesmo sendo Ribeira D'Ilhas uma onda com manhas, não fiquei nada impressionado com o que vi das melhores surfistas sub-21 do Mundo.

De muitas vezes entrevistar e conversar com o Francisco Spínola e a restante equipa da Ocean Events, posso dizer uma coisa com segurança: esta malta está empenhada em vender e mostrar o nosso país e as nossas ondas ao resto do Mundo. O país precisa de gente assim para fazer as coisas andar para a sempre. Sabendo que todos os eventos têm um prazo de validade (e que a ASP está cada vez mais americanizada...) espero que a dos nossos esteja longe. Sim, mesmo concordando que a quantidade de eventos deste ano gere algum cansaço do público e media. 

Por ter contacto de perto, posso dizer-vos: a ASP tem um fantástico penteado mas acho que devia começar a cuidar da sua barba (isto porque acho que a associação é um homem. É o método chinês do marketing). Tal como disse, contactei de perto com a Associação e os seus empregados e posso afirmar que são todos muito porreiros, bem-dispostos e têm um fantástico penteado, assim aparado dos lado e com uma popa em cima, sempre com um aspecto húmido. Gostam de o mostrar, cuidam dele a toda a hora, preocupam-se e há inúmeros tipos de funcionários que ajeitam cada aspecto dele: o corte, o penteado, a dimensão, o volume, o brilho. Já a barba, não está má. Está minimamente arranjada, há um ou outro funcionário mais ou menos preocupado com a sua manutenção, notam-se algumas zonas em que está mais curta e outras em que está comprida, não estando por isso uniforme. Dá para passar...mas é isso que a ASP quer?

Se me lembrar de mais, farei novo post. Stay tunned.

20/10/2014

Mick Fanning vence o Moche Rip Curl Pro Portugal

Foto: ASP/Poullenot

Impressões de Peniche, 2

....ainda à espera da inspiração (ou tempo?) para escrever sobre a suavidade do Gabriel Medina, que em nada foi afectada pela derrota de ontem no Moche Rip Curl Pro Portugal.

Stay tunned.

Felizmente, os 140 caracteres do Twitter não requerem inspiração: @DiogoAlpendre.

Upsets

Fui acompanhando a derrota de Gabriel Medina e Kelly Slater, em directo e na praia, no meu twitter @DiogoAlpendre. Para mais comentários in loco e no momento, sugiro que o espreitem ao longo dos dias de prova...e depois, claro. Se gostarem do que lerem.


18/10/2014

Peniche: Kelly e Kolohe decidem voar

Palavras para quê? Kelly Slater faz uma rotação nunca antes vista e Kolohe Andino faz uma super combinação. Até vos perguntaria qual o vosso preferido mas a verdade é que não há necessidade de ter um favorito: são ambos a mais pura da loucura. E o raio do campeonato nunca mais começa...

Kelly Slater takes it to the air in Peniche from GO-S.TV on Vimeo.


Kolohe Andino combo at Peniche from GO-S.TV on Vimeo.

15/10/2014

Impressões de Peniche, 1

Demorou até que Kelly Slater e Gabriel Medina trocassem um olhar. A conferência de imprensa ia já a meio, todas as estrelas tinham falado pelo menos uma vez e nós - jornalistas sedentos - analisávamos aquele mesmo facto.

Até que Slater pegou no seu iPhone e pediu a Gabriel para pôr novamente (ver foto) junto à face uma prenda que lhe tinha sido oferecida. E tirou uma fotografia. A prenda é simples e até irrelevante para a conversa: uma caixa de madeira, com algum conteúdo não revelado (aposto em cavalas) e que na tampa tem uma caricatura do jovem brasileiro. (Nota importantíssima, as caricaturas são do vienense Dear Edgar, que não conheço, mas que em breve vou tentar chamar aqui ao blog).

Pouco depois, o tal momento em que Slater tira uma foto ao Gabs. Foto: Pedro Mestre

A conferência foi quente. Não só porque a temperatura na sala estava elevadíssima mas também porque lá respiravam literalmente centenas de jornalistas, perseguidores de Medina e, claro, mais ainda de Slater. Muitos brasileiros, claro.

Tenho uma teoria. Kelly tem estado desconcentrado este ano porque tem vindo a aprender a falar português. Okay, pode ser uma ideia idiota, mas reparem. Ele é excepcional nos seus jogos psicológicos e fê-los contra todos os seus adversários ao longo do anos. Mas todos eles falavam inglês! Certo, Gabriel também fala uma espécie de inglês mas nas guerras psicológicas tanto importa falar como ouvir e Slater precisa - precisava? - de saber o que anda o prodígio de Maresias a dizer. Isto podem não ser boas notícias: Slater teria (terá?) percebido perfeitamente quando Medina confessou "algum frio na barriga".

E reparem como pode fazer sentido esta teoria! Chegado o momento de Kelly falar, e mesmo nas entrevistas pós conferência, o americano só falou das condições. De como o mar ia estar grande, de como se sente confortável e gosta dessas condições, de como é experiente neste tipo de eventos, de como o vento vai estar onshore e como este tipo de onda pesada pode causar lesões e levar a ausências de surfistas, outros surfistas.

E já que se fala das condições, foi mesmo essa palavra-chave da conferência de imprensa. "Condições". De facto, as previsões do mar não são as melhores e há alguma expectativa em relação ao que poderá, poderia e veio a acontecer nos dias seguintes. Não está fácil e a primeira ronda também não foi do melhor que já se viu. Continuemos à espera do que vem a seguir a este fim-de-semana. Eu acredito.

Muito importante ainda é a intervenção de John John Florence: "Sinto-me bem". Pudera! Depois de um 3º, 2º e 1º consecutivos! Super importante.

AMANHÃ aqui no blog: Gabriel Medina e a sua smooth talk
AMANHÃ NÃO VAI ESTAR aqui no blog: resumo da primeira ronda.

Somewhere over the rain while the offshore blows

SUPER CLASSIC SESSION @ PENICHE 13 OCTOBER 2014 from Surftotal TV on Vimeo.

06/10/2014

You gotta love David Carson

Sem lhe pedirem para falar de surf ou da ASP, ele sai-se com esta:

"Look at the new ASP (Association of Surfing Professionals) webcast graphics - horrible design that feels more appropriate for wrestling, boxing, American football, or Las Vegas tourism. Big solid 3D silver letters saying Rio! Trestles! France! Weird 3D-ish logo moving in an out and flying about. It’s horrible and embarrassing, and not representative of the sport. It was no doubt created by committee and seasoned commercial motion graphics operators. Slick and silly stuff."

Para ler, à vontade, aqui: http://www.theaustralian.com.au/executive-living/home-design/graphic-designer-david-carson-of-surfer-and-ray-gun-fame-on-selfindulgence/story-fngmet9f-1227079205648?nk=d46a57a55665af1579675b0a6bc2cbc2

P.S. Tenho a sorte de já ter podido trabalhar com ele e, confesso, até gostei. Mesmo apesar do caos em que vive e que o ambiente de trabalho do seu Mac mostra bem.

#TOURNOTES: John John Florence's 10, or 9.96?

24/09/2014

Saca Trestles



Tiago Pires em Trestles com cameos de Kelly Slater, Michel Bourez, Steph Gilmore e mais.

19/09/2014

Sobre a Steph

"“Steph’s 10 in the final would have scored a 7.5 at least in the men’s,” said John John Florence. “She surfed that wave better than a lot of men on tour could.” "

"Before Jordy paddled out, he sat and shook his head after she rode the 10. He was baffled. “This chick is so fucking good it’s actually unbelievable. There’s no way any other girl on tour should ever beat her.”"

Tirado daqui.

13/09/2014

Adeus ASP, Olá WSL.

Num anúncio muito tonto em que se percebe que todos têm o discurso estudado (menos o Kelly que disfarça melhor; já o Kieren Perrow e a Stephanie Gilmore não enganam ninguém), a Association Of Surfing Professionals (ASP) anunciou a mudança do seu nome para World Surf League (WSL) a partir do próximo ano. Adeus ASP, Olá WSL.



Aqui podem ler a carta de Paul Speaker, CEO da ASP (ou da WSL?) a toda a comunidade.

P.S. Amigos portugueses, isto é tipo a mudança do BES para Novo Banco, topam? Haha!

20/07/2014

Mick Fanning vence o ASP Jeffrey's Bay Open


Dear ASP,

Sorry guys, I'm writing this one in english in order to increase the chances of the ASP reading it. It concerns an important matter and I thank you for your understanding.


Dear ASP,

I'm writing you because of a serious matter that has come to my attention since the first contest of the Samsung ASP World Tour. When the "new" tour debuted both I and all the surf fans in the world were confronted with the many changes that you put in place in the web transmission. New graphics, new logos, the "desk" and a new and stable webcast team. It's precisely because of the new team that I'm writing you. While I don't mind the presence of Joe, Pete, Martin and Rosy and can even tolerate Todd and Ross, it's beyond my reasonble power to withstand the presence of Pat. I was actually a fan of his show on FUEL Tv where he did an O.K. job interviewing people and I can say I know his work for some time now. Therefore I can tell that his work was never related to commentating surfing. And now that you put him doing that job, he is not doing it well. In fact, he is doing it poorly. While he is obviously a good comunicator, that is not the position you put him on the webcast team. As you are well aware, he is doing the "reporting" part of the webcast: he is telling the spectator what the spectator is watching. It's just like in a soccer game: one of the guys reports, the other colours.

And this is the problem. Pat does not know how to report. He is trying - hard. But missing it - hard. He does not know what he is watching. He can not tell the difference between a check turn and a carve, a fin throw and a lip hit. And there's even a worse one... He can not tell the difference between a barrel and a "little cover". While I can understand that some on the face turns are hard to distinguish, I can not accept that an official commentator knows no difference between a barrel and a shampoo.

I've have been thinking about writing this letter for some time know and finally did it after the ASP Heritage Series at Jeffrey's Bay. Why the timing you may ask? Because Tom Curren got a 10 and on that wave he surfed a long and technical barrel that Mr.Parnell called a "little cover". I get that J-Bay is hard to figure out but still...who couldn't tell that it was going to be a good one?

Yours truly,

Diogo aqui do blog

P.S. Evidence on your video posted on the previous post.

17/07/2014

#TBT: Aquela vez que entrevistei Matt Warshaw

Há um bom tempo atrás, fui atrás de uma entrevista com Matt Warshaw, o autor da Encyclopedia Of Surfing (e de uma porrada de outros bons livros e textos e artigos e tweets), talvez dos mais importantes trabalhos alguma vez feitos na literatura de surf - e que tem um site do caraças. Olhando para a oportunidade, acho que fui um bocado tímido e devia ter perguntado outras coisas, apesar de não ser bem esse o contexto da entrevista. Para além disto, se pudesse voltar atrás, fazia ainda umas alterações ao texto final da peça. Evitava uns clichés, melhorava a sintaxe...enfim.

De qualquer forma, estou razoavelmente satisfeito com o resultado e desafio-vos a lê-lo. Inexplicavelmente (bom, era o trabalho...), nunca a postei aqui e, por isso, aproveito esta Thursday para fazer um Throwback.

"A primeira edição da Encyclopedia Of Surfing chegou às bancas em 2003, tendo sido considerada um dos 100 livros do ano pela Amazon.com. Dez anos depois, acaba de ser lançada online. O seu autor, Matt Warshaw, ex-editor da SURFER e autor de livros como "The History Of Surfing", falou com a SURFPortugal sobre este trabalho e de como não tem bem a certeza se em 2003 já tinha em mente, ou não, a digitalização desta obra.

000728_BURKARD__41661Foto: Chris Burkard

O site é elegante, a fazer lembrar as curvas que alguém como Joel Parkinson faria numa grande parede para a direita. Mas a ambição de o fazer é a de qualquer manobra que Gabriel Medina tente levar a cabo numa onda de meio metro para a esquerda. Lançado com cerca de 650 artigos, aos quais se juntarão dois a três por semana, este é talvez um dos trabalhos mais significativos alguma vez feitos na história do surf.  Só alguém como Warshaw o podia lançar. Em primeiro lugar, o norte-americano foi como qualquer outro miúdo: queria ser surfista profissional. Mas a falta de talento em cima da prancha foi uma barreira intransponível que levou Warshaw a seguir a via académica, eventualmente tornando-se, nos anos 90, num dos melhor editores que a revista SURFER (com quem continua a colaborar) já teve, emprego que depois viria a deixar para embarcar na publicação de dois grandes trabalhos, a edição em papel da EOS e o igualmente ambicioso "The History Of Surfing". Com colaborações para nomes como a EsquireThe Wall Street JournalNew York Times ou Interview, Matt Warshaw é possuidor de um dos olhares mais acutilantes que o surf tem, escrevendo com um humor que torna a leitura dos seus trabalho...um prazer.

A Encyclopedia Of Surfing é um trabalho de análise, recolha e explicitação de dados que outras áreas do conhecimento em muito podem invejar. Se a edição em papel, com as suas limitações óbvias (ainda não dá para imprimir vídeo!), não pôde reflectir toda a cor que a nossa actividade tem, a sua versão digital, que conta com colaborações, muitas delas a custo zero, de alguns dos melhores fotógrafos e cinematógrafos do Mundo, era exactamente o que faltava ao papel. Como Warshaw disse ao jornalista Mark Lukach do The Atlantic: "A diferença entre o livro e o site é mais ou menos como quando a Dorothy chega pela primeira vez a Oz. O seu mundo a preto e branco fica, de repente, em cores brilhantes".

A SURFPortugal teve o prazer de falar com Warshaw, numa entrevista que podes ler já aqui em baixo.

SURFPortugal - Quando a Encyclopedia Of Surfing foi lançanda em 2003, já tinhas em mente a sua publicação digital?

Matt Warshaw - Quando o livro foi lançado, começou logo a perder a sua actualidade, o que é um facto da vida para qualquer coisa que seja publicada. Mas será que, logo de início, estava a pensar numa conversão digital? Hmmmm...provavelmente não imediatamente. Eu estava demasiado exausto de apenas ter conseguido terminar o livro. E, naquela altura, a web não estava na mó de cima e o software faça-você-mesmo não existia, para que eu pudesse começar a pensar logo nisso. Ainda assim, reparei há dois dias que registei o domínio encyclopediaofsurfing.com em 2002, por isso, suponho que talvez parte de mim já estivesse a pensar nisso.

Como é que a ideia surgiu e por que foste avante?

O site PostSurf, do meu amigo Lewis Samuels, foi uma grande inspiração. Ele fez aquilo tudo sozinho e surpreendeu-me imediatamente. Eu adorei ler o que ele escrevia e falar com ele sobre isso. Era tão mais entusiasmante do que eu estava a fazer na altura, que era escrever o The History Of Surfing. Nessa altura, 2009, a web já estava mais preparada para um projecto como o EOS e eu estava farto de escrever livros e à procura de uma mudança na carreira. Por isso, acabei o "History" e peguei no EOS."

Para continuar a ler, AQUI.

09/07/2014

As nossas lendas estão vivas



Fantástico trabalho da Red Bull. Fantástico. Mais, por favor. Muito, muito mais.

08/07/2014

EOS: Fred Van Dyke Interview

Já abordei várias vezes aqui a Encyclopedia Of Surfing (EOS) e hoje, aqui e agora, abordo novamente, ainda que em formato mais curto.

É apenas uma tirada de uma entrevista que devem, sem dúvida, ler. E, já agora, aproveitem para seguir o blog da EOS!

"But you aren’t really a big fan of surf competition in general.

No, not at all. Contests, most of them, are totally ridiculous. Ludicrous. There’s enough competition happening out in the water just on a day-to-day basis. I remember this day at Sunset, probably in the late ‘50s, all of us were out there, Peter and Buzzy [Trent] and Ricky [Grigg], the whole gang. Fantastic surf all afternoon. And at the end of the day, we walked up the beach, and we all looked at Ricky. It was his day. We all knew it. There’s your winner."

E isto, senhores, é uma das melhores respostas do século (com o devido desconto!).

Para continuar a ler, AQUI.

Slater's MidSeason Breakdown

07/07/2014

Cool idea, cool project



Sou um deslumbrado por este tipo de projectos, não há como fugir a isto. Fosse o surf assim tão fácil...

03/07/2014

This Is Dane Reynolds: uma forma geométrica que não é um quadrado e também não cabe no espaço de um triângulo

THIS IS DANE REYNOLDS from Desillusion Magazine on Vimeo.

ASP Podium For Sale by Stab

De quando em vez, a Stab dedica-se a cobrir assuntos sérios sobre o Tour (e isto não é uma queixa, eu adoro que eles sejam cor-de-rosa e idiotas e infantis). O mais recente é o "ASP Podium For Sale", a história de como, basicamente, um documento que a ASP deu aos surfistas para assinar (e que todos assinaram) está agora a chocar com os seus contratos individuais. Em resumo, aquele chapéuzinho com o logo da Red Bull não pode estar no pódio. E agora? A história - mais uma no longo capítulo da Nova ASP - está muito bem apresentada no link em baixo.

AQUI
          Aqui
aquI
       aqui

Será que este Touro vai ficar enraivecido pela ausência do seu chapéu? Foto: ASP

23/06/2014

Vasco Ribeiro e Quiksilver rescindem contrato por mútuo acordo

Foi a manchete do dia de hoje. O ex-bicampeão nacional Vasco Ribeiro e a multinacional Quiksilver rescindiram o acordo que ligava as duas partes há mais de cinco anos. Faltando apenas um ano para o fim do contrato, a marca optou por antecipar o fim deste e propor ao surfista esta rescisão. Na nota divulgada pela assessoria de imprensa do Vasco à imprensa esta manhã, fica-se ainda a saber que a marca fundada por Alan Green honrou os compromissos no contrato, ou seja, à partida, terá indemnizado o surfista com o valor restante no contrato. Contactado pela SURFPortugal, José Gregório, representante em Portugal da marca da montanha e onda, esta rescisão deve-use a "(...) uma decisão estratégica a nível internacional, de reduzir os custos com o team, apoiando melhor aqueles que ficam (...)".

Mesmo sabendo que este é só mais um claro sinal dos tempos e uma prova de que a Quiksilver está  em apuros financeiros, há várias perguntas que ficam por responder. Ficam para mais tarde. Entretanto, esperemos que tenha havido aqui uma "jogada" e que o Vasco tenha um patrocinador a piscar-lhe o olho: ele precisa e o surf nacional, também.

Foto: divulgação



10/06/2014

Waiting Period: Adriano de Souza



Muito, muito bom. Ou a Red Bull não nos tivesse habituado já a isso. Já era fã do Adriano - agora sou mais. Está sereno. Bora, Mineiro, rouba esse título ao Gabriel Medina! Atenção ao que o Mineirinho diz sobre o Kelly e a sua relação com o careca. Entretanto, numa nota especial para a ASP, não sejam parvos e deixem a Red Bull usar imagens das vossas provas. A sério que preferem ficar sem uma produção como o "21 Days"? E nem digam que vão lançar coisas similares, é que não estamos a ver nada disso. E se for só para ano...podiam deixar a Red Bull fazer a cena deles este ano. Que raio.

07/06/2014

The Right

Eu não gosto muito deste tipo de afirmação, sobretudo porque nunca surfei estas ondas e nunca senti o seu peso, contudo, acho que para este caso tenho de abrir uma excepção: "The Right" é bem capaz de ser a onda conhecida mais pesada do planeta. Hardcore.



06/06/2014

Allianz Algarve Pro


Este fim-de-semana estarei - finalmente - pelo Algarve com a Liga Moche. Sigam em http://surf.moche.pt/liga-moche/live.aspx.

Gabs Medina vence o Fiji Pro

Gabriel Medina entuba para a vitória...e para o título mundial? Foto: ASP/Kirstin

03/06/2014

Os segredos de Fiji com Kelly Slater

#8 Would you consider Fiji one of your strongest events on tour? Is it a venue that you could remain competitive at for several years to come?

 I feel at home in Fiji and when things come together I feel like I could be competitive there forever. The waves do most of the work for you, you just need to fit into it properly and pick the right ones. Experience has won me events there for sure a few times.

#9 When most people reach for step-up boards (6'3"s, 6'6"s, etc.), your tendency is to grab a 5'9". What's the theory behind this and why don't you think more of the Top 34 do the same?

I can't talk about that...

Ideias:

On a side note, I really think Fiji and Pipe and possibly Teahupo'o and/or J-Bay should be considered "Majors" for us and be given double points. Three or four events with 20,000 points for first. The money doesn't matter; it's the value for quality locations that should have an emphasis placed on it and the non-dream tour waves can stay, but take a back seat. There would then be a real impact from what everyone considers to be the best surf spots.

Uma boa entrevista da ASP para ler AQUI.

Mudanças de patrocínio

É surpreendente...não pela mudança em si, mas pelo momento.

A meio da época, o australiano rookie do World Tour Mitch Crews protagoniza uma mudança no mercado de transferências: alivia a conta bancária da Hurley (que começa a reduzir a sua equipa...) e assina, head to toe, pela Reef, juntando-se a Kai Otton, seu novo companheiro de Tour. Só nos toes passa a ter como amigos o Mick Fanning, Shane Dorian, entre outros.

Já agora, quanto à Reef, refira-se que deixou cair na sua equipa feminina a louraça brasileira Bruna Schmitz.

Ainda sobre a Hurley, acredito que esta não seja a única saída a acontecer em 2014. Alguém sabe quem está em fim de contrato com a marca do Bob?

Foto: @mitchcrews

02/06/2014

Julian Wilson in "Bangers and Mash"

Bangers and Mash from Julian Wilson on Vimeo.

Sobre o vídeo, duas coisas:

1) esperava mais;
2) estou - estamos - à espera de ver estas combos de backside no Tour.

A ver...

20/05/2014

Fiji Pro: está quase aí



Estou especialmente ansioso por saber se o Kelly vai, ou não, ganhar o campeonato e como é que as miúdas se vão safar. Fiji!

Saca Oz Road Trip

Há mais alguma coisa que a Austrália peça tanto como uma road trip com amigos? Mais uma produção http://www.go-s.tv.

  Road trip Australia from Tiago Pires on Vimeo.

Road trip Australia 2 from Tiago Pires on Vimeo.

Road Trip Australia 3 from Tiago Pires on Vimeo.

Australia Road Trip 4 from Tiago Pires on Vimeo.

15/05/2014

Havai lá vai, Havai cá vem

6 anos depois do que me levou a fundar este blog, finalmente acontece a mudança. Acabou o absurdo da numerosa e excessiva (ainda que emocionante...JOB! Dorian!) presença dos wildcards havaianos no Pipemasters, fruto da (mais uma...) "compra" da ASP: a Triple Crown Of Surfing. 

Vamos por partes.

Eu ia escrever acabou a mama dos havaianos no Pipemasters (e na Triple Crown), mas quando soube o que ganham de volta, acho que a mama acabou de levar uma injecção tripla de silicone. A Pamela Andersen, onde quer que esteja neste momento, deve estar invejosa. Entendam: a Nova ASP (como querem ser chamados) exigiu que o Pipemasters só tivesse dois wildcards, tal como os outros eventos do Tour. Randy Rarick, gerente da TCS, na defesa dos havaianos, disse que não era possível. A Nova ASP bateu o pé. Randy chamou o Kala Alexander, o Kai Borg e o Eddie Rothman (não tenho provas). A Nova ASP chamou Dirk Ziff (não tenho provas). Resultado? Vamos ao excerto da entrevista a Rarick da Surfer que motiva este post:

"(...) we had to figure out the best way to get the best solution for Hawaiian surfers. That’s where the idea for the Pipe Trials event came in. We wanted to get the maximum amount of guys in the spotlight to get a spot in the Pipe Masters. We told them that we needed to get $100,000 prize purse. The ASP, at first, wasn’t too keen on that. You don’t normally see a trials event with a $100,000 prize purse. But they saw the value of what the Pipe specialists offer and signed on. (...) It’ll be a 32-man format. At a minimum 26 Hawaiians will get into the event. The other six will come from Billabong and Vans. Four from Billabong and two from Vans. Some of those surfers could also be Hawaiians (...) [The 26 Hawaiians] It’s a combination of surfers qualifying from the Volcom Pipe Pro, the highest ranked Hawaiian QS surfers, the top ranked ASP Hawaii surfers off the local rankings, and the Triple Crown “front runners (...)".

Aqui, dá-me vontade de rir o que está a bold. Sendo que apenas trata dos surfistas do World Tour, os "Pipe specialists", para a ASP, têm um valor igual a zero. Não servem de nada. Agora, o Pipemasters, já é outra história. Ondas gigantes, medo da morte, a bancada rasa e, sobretudo, as melhores audiências dos webcasts do World Tour. Pagam 100.000 dólares aos havaianos e resolve o assunto. Palmas para todos! O Randy não diz o valor pelo qual cederam a licença da TCS ("Unfortunately I can’t comment on that. It’s proprietary.") mas uma coisa é certa: pelo menos 100.000 dólares são. E a licença é de apenas um ano e renovável ano a ano. Está giro.

Só para continuar com a risada:

"(...) Over the last eight years we looked at the numbers, and only one or two of the trialists have made it past Round 3, where they would start getting paid. So the guys that qualified for the Pipe Masters had to go three rounds before they actually made any prize money. We wanted to change that. Now, the guys who qualify for the Pipe Masters get money right away, just for being in the contest. The fact that you had to get through three rounds to make money was wrong. In eight years, we only passed out $55,000 to the trialists in the Pipe Masters. Those two guys that get into the event should get paid from the beginning. And that’s what’s going to happen now. (...) the trials have to be run during the Pipe Masters event. We wanted our trialists to get as much exposure as possible. We wanted three things: more prize money, more exposure, and to get more surfers into the trials. We’re giving Hawaiians an unprecedented opportunity for them to show their stuff in front of the biggest audience we have. Inevitably, you’ll have some push back from some people who are irked about no longer having eight trialists in the event. But we think that, given the reality of the ASP’s position on only allowing two trialists into all World Tour events, this is the best thing for everybody. (...)"

Resumindo e fazendo a incómoda pergunta: quem ganha?

Curiosamente, cheira-me que todos. O que também não deixa de ser interessante. Ora se não, vejamos:

A ASP continua a ter o Pipemasters no Tour, por, no mínimo, 100.000 dólares. Recordemos que é o mais visto e antecipado evento de cada ano.

Os surfistas do World Tour evitam o martírio da possibilidade da eventualidade de serem espancados em directo para todo o Mundo por um surfista que, no fundo, só tem cojones.

Os havaianos. Novo evento só para nós! 100.000 dólares! Ice ice baby! Vanilla Ice Ice baby!

Quem vê os webcasts ganha um novo evento e livra-se de irritações extra (bom, pelo menos eu evito irritações extra!). E ainda ganhamos um showdown das miúdas: "(...)We’re going to be taking the top-four finishers from the Women’s World Tour and four Hawaiian women specialists and we’re going to have an event at Pipe to highlight the women’s talent (...)".

Dirk Ziff...bom...okay...esse fica a perder a garrafa de champanhe de amanhã à noite. E a segunda lagosta do jantar. Bom, suponho que não se pode ter tudo.

Menos uma lagosta e uma garrafa de champanhe. Foto: Patrick Ruddy/The Inertia

DILLON PERILLO, BY MORGAN MAASSEN

08/05/2014

Sumol Porto Pro


Este fim-de-semana estou pelo Porto na terceira etapa da Liga Moche 2014 (campeonato nacional de surf), o Sumol Porto Pro. Se quiserem, vejam tudo em http://surf.moche.pt/liga-moche/live.aspx.

07/05/2014

Backside double grab 360

Ora aqui está um aéreo pouco comum e que até tem bom aspecto. A Surfing Magazine chama-lhe backside double grab reverse, eu chamo-lhe o que vêem no título. Acho que no fundo vai dar ao mesmo. Anyway, um props para o Jesse Guglielman por o ter feito. É o segundo no vídeo (o primeiro também não é mau, haha!).

Disguised in Nature

Bianca Buitendag e Johanne Defay, duas amigas, surfistas, colegas do WWT, partilham um pouco da sua vida na estrada e mostram-se felizes, realizadas, agradecidas, pelo que têm e pelo que vão encontrando. Recusam-se a fazer da estrada um lugar solitário e mostram-no em filme, uma curta, a não perder aqui em baixo. Se já era fã da Johanne, a Bianca começa a ganhar também um lugar neste  espaço. Primeiro, com isto, depois, este vídeo e a forma como apoia a sua amiga francesa que, ao contrário de si, não conta com fortes patrocínios e por isso tem uma vida profissional menos facilitada. Força Johanne. Força Bianca!

05/05/2014

Sync - Tony Hawk Doubles Video Part - 2014



Tony Hawk e um bando de estrelas do skate a fazer duetos.

Official Teaser - Billabong Rio Pro



Depois de duas etapas chatas e onde apenas Jordy Smith me fez disparar a circulação do sangue, mal posso esperar por ver o que os beachies do Rio terão para nos oferecer. É NOIIIISSSS!

30/04/2014

Saca On The Road

Novo projecto do Tiago "Saca" Pires com a Go-S.Tv. A Go-S, onde trabalho, esteve com ele na Austrália (como de costume) e fizemos uma longa roadtrip... O resultado sairá em episódios, nas próximas semanas. Stay tunned.

28/04/2014

O Dane Reynolds alimenta-nos com Feed

O meu tipo de aéreo preferido: backside air com grab.

O Dane lançou o lado B do seu Loaded, intitulado Feed. Revelou também que rompeu MCL. Está de volta a qualquer momento. We shall wait. Enquanto isso, vemos o vídeo aqui.

21/04/2014

dane reynolds dirty dozen

As 12 melhores ondas que o cameraman do Dane Reynolds diz ter filmado do seu objecto de trabalho desde Agosto de 2011. Grande selecção!

18/04/2014

Pinnytown pela NB com Reds

Este vídeo é excelente. Não apenas pelas qualidade óbvia do skate praticado, mas, sobretudo, pela fantástica composição de imagens que roça o cinema e a fotografia. De salientar que todas estas imagens foram capturadas com as fantásticas câmaras RED, câmaras que filmam em qualidade 4k. Dos clips filmados, a equipa da NB tirou estas fotografias

É a revolução. Fotógrafos, como vão reagir a isto?

17/04/2014

Allianz Ericeira Pro


Este fim-de-semana estou pela Ericeira na segunda etapa da Liga Moche 2014 (campeonato nacional de surf), o Allianz Ericeira Pro. Se quiserem, vejam tudo em http://surf.moche.pt/liga-moche/live.aspx.

Thaynan Costa em Lisboa

14/04/2014

Fireside Chat: Dylan Rieder