27/10/2013

Entrevista ao Aritz Aranburu

Para alguém que passou os últimos dois anos em intenso movimento, viajando de competição para freesurf, com um fato de Inverno e boardshorts lado a lado na bagagem, há uma inesperada sensação de calma e tranquilidade nos olhos de Aritz Aranburu. Aos 28 anos, este surfista basco natural de Zarautz é já um dos mais consagrados surfistas europeus de sempre e, indiscutivelmente, o espanhol que mais longe chegou a nível internacional. 

Aritz passou a infância a competir e atingiu o topo a que um competidor pode chegar, o World Tour, no fim da primeira década deste milénio. Embora por lá não tenha ficado muito tempo, foi o suficiente para que se apercebesse de algumas coisas: “sim, adoro competir, mas sou um um sortudo por fazer do surf a minha vida e quero aproveitar a viagem”. Humilde, simpático e informado, o surfista que hoje está na iminência de voltar ao Tour faz parte da linha de surfistas – e humanos - que fazem da determinação a sua maior virtude. Seja na competição, na estrada ou em entrevistas. 

Poucos heats depois de perder no Cascais Billabong Pro e após ter servido de caddy para o seu amigo Hodei Collazo, a SURFPortugal falou com ele. 

SURFPortugal - Estiveste no World Tour em 2008 e 2009. Queres voltar lá? 

Aritz Aranburu - Sim, sim, sem dúvida nenhuma. Se eu compito, é porque tenho um objectivo e, se não o tivesse, não competiria. Quando compito, tenho sempre esse objectivo [a qualificação para o World Tour] em mente. Qualquer competidor quer fazer parte da elite. É claro que queres ganhar os campeonato a que vais mas, no fim de contas, o objectivo é continuares a subir no ranking, estares na elite e competires contra os melhores do Mundo. Hoje em dia, tanto o Tour como o circuito Prime têm muita força e são importantes. Contudo, o bonito de estar no Tour é que podes competir contra gente que são ou já foram os teus heróis, como, por exemplo, o Kelly [Slater]. Faz-te acreditar em ti pois o facto de poderes competir contra eles significa que evoluíste até estares a esse nível de o poder fazer. 

O País Basco sempre recebeu competições de surf mas este ano...nada. O que se passa por lá?

Bom, nos últimos anos tínhamos o campeonato de 6* de Zarautz mas este ano foi um ano de quebra. Com a crise global é mais difícil encontrar ajudas mas creio que 2013 pode ter sido uma pausa para montarem outro campeonato. Se a economia espanhola melhorar um pouco também vai ajudar... O País Basco, e Zarautz, são, sem dúvida, um sítio onde deve haver pelo menos um campeonato de nível internacional.

Se gostas, continuar a ler aqui. Obrigado.

Sem comentários: