22/10/2012

Julian vs Medina

Antes de mais, deixem-me fazer, novamente, uma ressalva. Eu não tenho NADA contra os surfistas brasileiros ou contra o povo brasileiro. Tal como em todas as outras nacionalidades, há surfistas bons e maus, há pessoas boas e más. Portanto, antes que comecem a encher a minha caixa de e-mail com ameaças e insultos (como já o fizeram anteriormente...), entendam isto, okay? Valeu.

1) Há aqui muita hipocrisia.

É um facto que quando algo nos atinge dói sempre mais mas era de esperar também que fosse mantida alguma coerência. Quando foi óbvio, óbvio, que o Owen Wright ganhou ao Adriano de Souza no Brasil em 2011 (aquele floater era de facto um oito alto mas o vencedor da bateria era o australiano), os fãs brasileiros dançaram, celebraram. "Bem feito gringos!" disseram. E era uma vitória injusta. E celebraram na mesma. E ofenderam os australianos, com razão, que diziam que o surfista local tinha sido beneficiado. Os australianos falaram em "favorecimento" local e tinham razão. 

Mas agora, quando é um surfista brasileiro o prejudicado, sentem-se injustiçados. Ameaçam de porrada. Dizem que a ASP só protege os surfistas australianos. Ofendem tudo e todos, num vómito verbal inacreditável. Memória curta, não?

Os juízes erraram em 2011 e voltaram a errar em 2012. Protecção aos australianos? Não me lixem.

2)
- Gabriel Medina é brasileiro, da Rip Curl, e estava numa prova em Portugal patrocinada pela Rip Curl.
- Julian Wilson é australiano, da Nike, e estava numa prova em Portugal patrocinada pela Rip Curl.

Se houvesse favorecimento local, a vitória era do Gabriel.

Eu estava na praia, ao contrário de muitos que agora falam como se tivessem visto tudo ao vivo, algo importante para dar opinião (e contra mim falo). Eu vi o público português todo a torcer pelo Gabriel, tal como o vi torcer pelo Adriano em 2011.

3)
Deixem-me dizer-vos o que aconteceu:
O Gabriel estava na frente (como devia estar) e cometeu um erro. Estava a marcar tanto o Julian (como deve ser feito, aliás) que acabou por perder a prioridade nos últimos segundos. Julian só precisava de uma onda e surfou-a. Sabem como é que muitos casos de tribunal são arquivados? Criando a "dúvida provável". O simples facto de haver uma possibilidade de não ser como o advogado da acusação (ou procurador do Ministério Público) diz que foi, é o suficiente para arrumar com um caso. Foi isso que aconteceu na final do Rip Curl Pro Portugal. O Julian criou a "dúvida provável" e os juízes deram-lhe a vitória.

A destacar:
1 -  O Gabriel Medina fez um erro. Perdeu a prioridade num momento impensável. É um erro que ele nunca antes tinha feito e cometeu-o no pior momento possível. Mas o erro, esse, está lá, isso é inquestionável.
2 - Eu acho a última onda do Julian overscored. Para mim, não seria um 8.43. MAS seria sempre o 7.55 de que ele precisava. O problema, para mim, está no que o Julian precisava: ele devia precisar de mais, um pouco mais. Devia estar a precisar de um 8 ou coisa parecida e assim, não o teria tido com aquela última onda.

Este ano, como já podem ter observado, sobretudo depois do Nike Lowers Pro, os juízes já não estão a valorizar tanto os aéreos do Gabriel...e justificadamente! Faz sempre os mesmos, da mesma forma. Está a acontecer-lhe o mesmo que aconteceu com o Jadson André em 2011. Depois de vencer em Santa Catarina com aqueles aéreos, no ano seguinte, os aéreos que lhe dariam um nove, passaram a dar-lhe um seis. Os juízes percebem que aquilo não é uma manobra de risco e, honestamente, tal como eu estou, também eles devem estar fartos de os ver. E porra, o Gabriel é um surfista incrível, com um talento e habilidades técnicas espectaculares. Porque razão faz sempre a mesma coisa?

4)
Fazem-me muita confusão os comentários que a torcida brasileira está a deixar na Internet. Não os acho correctos, educados ou justos. Honestamente, acho que a torcida brasileira, ao fazer estes comentários, está a criar ainda mais animosidades no mundo do surf. Se querem ser respeitados, assumam as derrotas e as vitórias de igual forma. Sintam as coisas mas não faltem aos respeito a ninguém. Honestamente, o Julian só estava a fazer o trabalho dele. Ele surfou uma onda, fez um claim. Estava do lado dos juízes dar-lhe a nota ou não e eles deram-lhe a nota. Porquê ofender o surfista australiano? E porquê ofender os juízes quando eles, que desta vez erraram, também já beneficiaram os surfistas brasileiros (sendo que nem isto é o mais importante nesta questão)? E para mais, é importante recordar que, na nota do Julian, o juíz brasileiro foi quem deu a nota maior, 8.5. Foi apenas um erro, nada mais. Um erro que custa, é certo. Mas é um erro. E errar é humano.
Isto que vou pôr agora em baixo porque está PÚBLICO (por oposição a privado) no Facebook, na página de atleta do Julian Wilson, só prejudica a imagem do surf brasileiro.





Se eu, enquanto português, visse coisas destas feitas por meus compatriotas, sentir-me-ia embaraçado, envergonhado, humilhado.
Esta não é a forma correcta de ganhar respeito. O respeito ganha-se como o Miguel Pupo e o Adriano de Souza têm feito, com humildade e trabalho.

5)
O Gabriel é um adolescente e a derrota doeu-lhe muito. Claro que ele chorou. Os homens choram e é óptimo ver que ele se importa por perder e que fica arrasado com isso. Esta derrota vai ser combustível para a sua carreira e ele sem dúvida nenhuma que terá uma longa e próspera carreira. Ainda assim, mesmo aborrecido e triste, nada justifica sair do palco na entrega de prémios, não cumprimentar Julian Wilson e mandar uma boca aos juízes na cerimónia. Gabriel, aprende com o Adriano. Se ele mandou a porta abaixo para surfistas como tu poderem estar onde estão, de alguma forma foi, não? Pensa nisso.

6)
Os juízes cometeram um erro e é só isso. Umas vezes vai no nosso sentido, outras não. Lidem com isso.

Quem quiser, força, comente este post, discutam o assunto e o que eu digo. Mas peço-vos que sejam educados e critiquem constructivamente. Obrigado.

P.S. Se me lembrar de mais alguma coisa, vou acrescentando.

19 comentários:

Felipe Fernandes disse...

Como brasileiro me senti envergonhado quando vi a página do Julian repleta de comentários maldosos. Aquele era talvez o dia mais feliz da vida do australiano, e com certeza ele não merecia ouvir tudo aquilo! Não precisava pensar muito para entender que ele não tinha culpa alguma. Acho que com comentário do tipo "Olá Julian, o que você achou do julgamento?", ou alguma coisa do tipo, geraria uma discussão saudável e sem faltar com respeito ao australiano, que o merece muito.

Felipe Fernandes ‏@Felipe_Fipo
Julian Wilson não teve culpa pelo erro dos juízes em Portugal. Falar coisas no Facebook dele foi de uma deselegância sem tamanho!

Deivid Rosso disse...

Confesso que fiquei contaminado com essa ira contra ASP, australianos, manipulação de resultados, toda essa conspiração. Porém, ao ver seu Post, ao ver o outro lado da moeda, ajudou-me a olhar para trás e ver que foi um erro humano sim e não manipulação.

Coloquei o seu comentário em meu blog: http://vidamarinha.com.br/mundo-do-surf-faz-campanha-contra-asp/

Pedro Matos disse...

Diogo, concordo a fundo com tudo, excepto com o facto de achares que o Medina faz sempre a mesma coisa. Acho que não faz, mas mesmo que fizesse, não é o que todos fazem? Os aereos do Medina têm risco, muito risco, só que feitos por ele parecem faceis! Mick Fanning há anos que desfere sempre o mesmo gancho, Slater com o seu tail slide 180 repetido enumeras vezes, Kolohe com o frontside air...
O puto ainda agora chegou e já estás farto dos aereos dele?? :)
Se fossem desvalorizar as notas cada vez que o mesmo atleta repete as mesmas manobras...o Taylor Knox estava desgraçado!! :)

Daniel C. Leite disse...

Concordo com quase tudo o que disse, Diogo!

Apesar da tristeza que sentimos ao realizar que desta vez o erro da ASP foi fatal a um brasileiro, nada justificaria tamanha grosseria e deselegancia com o oponente e até mesmo com os dirigentes do esporte. Maior tristeza que a derrota do Gabriel, foi ler os inúmeros ataques ofensivos nas redes sociais por parte da torcida brasileira. Mas sabe, aqui estamos acostumados a ver esse tipo de atitude - não tomando isto como justificativa! Acontece que infelizmente, vivemos em um país onde a educação definitivamente não é um ponto forte. Isso é muito triste e foge da questão. Então vamos para o próximo ponto.

O que me contraponho em seu post é sobre a desvalorização dos aéreos do Medina, supostamente pela repetição dos mesmos - o que também discordo. Veja bem, se retornar aos heat anlyzers das baterias do Gabriel nas ultimas etapas irá se deparar com um verdadeiro e diversificado arsenal de aéreos. E o moleque os manda em todas as condições; no crítico, funcionalmente, na junção, de backside, front side, slob, duble grab, no grab, alley oop, super man, kerrupts e já começa até a arriscar rodeos nas baterias. É claro que nem todos estão no pé, mas as tentativas são sempre vistas nos campeonatos. Ao meu ver, o fato de o cara ter uma manobra no pé não necessariamente se traduz em desvalorização de notas. Neste caso o mais sensato a ser considerado na avaliação dos juízes são critérios como, as condições em que o surfista realiza a manobra e o nível de comprometimento na relação entre manobra e onda... Deixa eu ver se consigo explicar melhor.

Avaliar apenas se foi o 3° aéreo rodando na bateria não deveria refletir uma nota baixa, mas sim em que condição cada aéreo foi realizado, assim como fazem com as manobras mais tradicionais, como as batidas e carves. O fato é que as vezes os juízes se equivocam na primeira nota dada ao aéreo. Super valorizam a manobra sem avaliar a parte da onda em que foi realizado, a fluidez, estilo e nível de comprometimento. E é exatamente aí que se inicia a depreciação das notas aos aéreos sequentes, como forma de corrigir o erro anterior. Isso pra mim não é culpa do surfista e sim de um headjudge que não se atenta devidamente aos critérios de julgamento.

Daniel C. Leite disse...

Apenas um adendum: Se a repetição de manobras justifica a redução de notas, então deveriam criar tambem um critério novo que pudesse tambem valorizar as mesmas, tal qual criatividade e inovação. E claro que isto deveria estar bem claro não apenas aos surfistas como aos espectadores.

raimfons disse...

Camarada,

Sem stress...vc é profissional de surf? avaliou as duas melhores ondas da bateria de cada atleta?, pois acho que vc deveria ou vc não viu o tubo do medina? Veja novamente e compare com os 2 tubinhos espremidos do JW (que até acho um bom surfista, mas ultimamente vem esperando sempre pelas notas dos juízes principalmente nesta bateria onde em nenhum momento arriscou!) E nem vou tocar na onda do aéreo de saída, com snap e rasgada com fluidez total, pois deixaria o JW em comb.Com relação a deselegância concordo em parte..e com relação a owen x mineiro sempre achei que o owen ganhou , mas não chega nem aos pés da final em portugal. O maior roubo que já vi em camps de surf

Anónimo disse...

nao teria dito melhor exelente comentario e pessoas do brazil sem discriminação deviam ter vergonha nos comentarios que fizeram.
em relação a onda de julian nao era um oito mas era uma onda para passar o heat sem sombra de dúvidas um bom tubo e uma exelente finalização vergonha e falta de respeito foi o que o medina fez sair a meio podio
ridiculo

Ricardo Mello disse...

PORTUGA: Dúvida provável???

Quem já julgou, foi juiz ou é de campeonato de surf sabe qual é a real, aquela onda não era uma dúvida provável, era certamente uma onda descartável no processo de avaliação das ondas vencedora. Simples, eles erraram porque quiseram errar, na verdade, quem é juiz, sabe que eles estão certos de que fizeram o correto, porque seguem um parâmetro, e é ai que esta o problema, o parâmetro (critério) deve mudar assim como mudam a qualidade das ondas, mas não eles insistem em seguir como cavalos adestrados a correr somente em uma linha reta, linha burra. Verdade que, não é tão surpreendente terem dado a vitória a um cara que surfou com duas ondas de tubos em um lugar que se chama supertubos, mas, é surpreendente como o critério de julgamento não evolui, tipo: o mar tinha mudado, já não se tinha só tubos(e bons tubos) então porque insistir que essas deveriam ser mais valorizadas.
Então, seguindo essa linha (volta a dizer, linha burra) fizeram a talvez maior das burrices já vista em uma competição Profissonal, aproveitaram do fato de Medina não ter 2 ondas tubulares e sim só uma, para dar a vitória a Julian, que surfa muito, tal qual ou tanto quanto MEDINA É VERDADE.

PORTUGA: Medina Igual a Jadson???

Ai vc passou do limite!!! Jadson surfa muito é verdade, mas seu erro é a falta de fluidez (o que sobra em Medina) principalmente quando o assunto é sair de um aéreo sem matar barata e ligar uma manobra na outra.

PORTUGA: Os juízes percebem que aquilo não é uma manobra de risco???

Ta de brincadeira né, só porque não é manobra de risco pra ele(Medina) isso não significa que não é manobra de risco para os outros??? será que tu já tentou dar uns aéreos como aqueles??? quem já quebrou a perna por causa de um sabe o que é uma manobra de risco, vá dizer ao Jessé Mendes que aquilo não é manobra de risco. Diga-o ainda: volte a dar aéreos sem medo, Jessé, pode voltar com tudo, num quebra pé não, foi um acaso. rsrsrsr, tá bom!!!

PORTUGA: e, honestamente, tal como eu estou, também eles devem estar fartos de os ver.

E vc num esta farto de ver o Slater ganhar campeonatos sempre com as mesmas rasgadas, ou até mesmo com seus aéreos??? em 2010 ele ganhou um 10 unânime em trestles em uma direita surfada por quatro rasgadas iguais (aquelas que todos nós conhecemos já uns 20 anos), isso não os fartou já???? ou só aéreos fartam???? Acho que sim já que não é todo surfista que os conseguem dar. Esta ai sim um dos maiores erros do julgamento. Juízes são ex-competidores(ou seja, surfistas antigos) ou ex-bons surfistas, Esse "ex" traz a prova o ego deles já que nenhum é de uma geração que voa como a geração do Medina, cometem então o erro da inveja, ela esta ali ocultada na maioria das notas achatadas que estão dando ao Medina e até mesmo ao Jadson em algumas vezes. E por que?? porque não sabem, talvez assim como você que escreveu esse texto acima, que o aéreo tem sim e muito risco, seja quantas vezes for repetido ele deveria ser mais bem julgado e não descriminado!!!!


Cara o critério de julgamento precisa evoluir e urgente!!!

brek disse...

bem escrito diogo, mas nao foi um claim foram 2. quem ganhou foi o bobby martinez... e o dane reynolds.

Anónimo disse...

J-Bay 95, Kelly contra Andy. Titulo mundial em disputa, maior rivalidade de sempre. Kelly claramente beneficiado vence o heat, Andy revoltado, insulta tudo e todos, ainda assim apertou a mao ao Kelly,foi ao podio e mandou-lhe champanhe aos olhos, portou-se como um homem, deixou as redes sociais para os meninos e bebeu uma cerveja!
E agora aqui o PORTUGA pergunta: Oh Riri, es tu um homem ou um rato?
Mandem-se ao mar e deixem o Medina limpar as lagrimas sozinho!

Trufas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo Ponte disse...

Diogo, concordo com você nos pontos 1 e 2. Discordo nos demais pontos. Para todos está muito claro que houve um achatamento, diminuição das notas do Medina. O fato dele mandar aéreos "repetidos" não tira o grau de dificuldade deles. Pouquíssimos surfistas do tour conseguem executar esse tipo de manobra. Obviamente deveria ser melhor julgada, mas, curiosamente, as notas vêm baixando gradativamente para os aéreos. Tenho lido vários comentários seus, principalmente quando envolvem brasileiros em baterias do wct e sempre você é tendencioso para os australianos e americanos. Não entendo muito bem até porque você é português. Ok, seus ídolos são Australianos e Americanos (da América do Norte)...o brasil passou por isso e Portugal também vai passar. Hoje temos para quem torcer. Espero que o tour uma dia seja mais diversificado e vocês também tenham um surfista top 10, top 5 ou um Campeão! Infelizmente leio opiniões suas que me fazem pensar que portugueses não entendem nada de surf. Mas sei que estou errado. Alguns entendem um pouco. Por fim, acompanho seu blog pelas atualizações, vídeos, etc. Espero que você tenha mais autocrítica. O quão ingênuo você é para acreditar que foi apenas um erro dos juízes? Passar bem.

raimfons disse...

Gajo,

Dê uma olhada em um vídeo da premiação do rip curl portugal e veja com os seus próprios olhos que o Medina cumprimenta o JW e também espera a entrega dos prêmios. Dessa maneira seria interessante você retificar o seu texto, pois irá ficar feio para você como um editor de surf escrevendo de forma tendenciosa.

abs
http://surfocracia.blogspot.com.br/

Anónimo disse...

Ouvi muita coisa engraçada sobre o tal episódio, mas "Mas é um erro. E errar é humano." foi de longe a mais hilário.

Anónimo disse...

ASP = AUSTRALIAN SURF PROTECTION

Surfocrata disse...

Diogo, tem razão quanto a deselegancia da torcida. A hipocrisia é tradicional na irracionalidade da torcida. Não concordo com a generalização, pois como há os baderneiros, há também aqueles que refletem sobre o ocorrido e o discutem com propriedade. Sou brasileiro e desde sempre venho te falando que aquela bateria o Owen ganhou. E uma coisa não justifica a outra. Até porque aquilo foi uma exceção, e basta olhar o histórico de erros para ver que a regra é "errar" contra o surfista tupiniquim.
Acho errado apenas considerar o que aconteceu como erro. Tanto naquela bateria Owen x Mineiro quanto nesta JW x GM. Em ambas o resultado foi manipulado porque os juizes, a ASP ou alguém achou que era hora de fulano ou ciclano vencer.
Tulio Brandão foi quem melhor abordou o tema. Deixem os fatos serem fatos. E este sim é que é o grande erro. Pois erro é aquele sem intenção e nessas baterias houve o dolo, a intenção de manipular o resultado, o que, salvo engano, por se tratar de uma categoria profissional, trata-se de um crime. Pessoas são presas quando descobre-se uma armação de resultados em diversos esportes, não são?
Por fim, discordo frontalmente quanto a repetição de manobras do GM. O Daniel Leite já falou tudo a respeito num comentário acima.

www.maresdomar.webnode.com disse...

http://www.surfline.com/surf-news/analyzing-the-medina-wilson-final-at-rip-curl-pro_77870/

cezar rodrigues disse...

Pedro Mattos falou tudo. E outra, os aereos do Medina nao sao todos iguais. Quem saco o minimo de aereo, repara na variaçao de grabs ou mesmo ausencia deles. Se ficou chato, foi para os outros surfistas que se garantiam nos aereos para conseguir os scores e que agora ja nao sao mais. No resto concordo com o autor apesar deste nao ter mostrado o outro lado recheado de racismo e ameaças ate a familia do Medina (forum da stabmag.
Abraço a todos e paz.

Anónimo disse...

Sou brasileiro e concordo com cada palavra sua. Acredito que os torcedores brasieliros, sempre com comentários mal educados nos chats das transmições, são os principais culpados por serem cada vez mais odiados no mundo do surf.