12/12/2011

Curioso

Não deixa de ser curioso referir que em nenhum momento do press release da ASP (link em baixo) é dito se o "novo" top 34 será o da primeira metade do ano ou de todo o ano, revelando este facto que podem estar em curso mudanças estruturais no Tour. 

Entretanto, fica também
 garantido que o Dane Reynolds, não estará no Tour em 2012, confirmando a especulação de que estava mesmo de saída da elite do surf mundial. Faltava garantir que este não tinha pedido um "wildcard por lesão" e a própria associação já o confirmou na sua página do Facebook.

http://www.aspworldtour.com/2011/12/12/asp-top-34-determined-for-2012/

4 comentários:

Anónimo disse...

Diogo, parabéns pelos três anos do blog.

Depois de toda a defesa feita pela ASP, ao longo desse ano, do formato com troca a cada seis meses, é praticamente certo que esses top 34 são os da primeira metade de ano.

Mudanças virão com certeza. Mas primeiro será preciso perceberem que Medina, John John, Pupo e Kolohe conquistaram suas vagas porque são talentos fora de série.

Dada a dificuldade de acesso, surfistas "normais" como Tanner G, Camarão, G.Larsen, J.Mendes, Jack Freestone só conseguirão uma vaga se a sorte lhes sorrir, como aconteceu com o Yadin Nicol e sua performance excepcional no final de 2010 e na primeira metade de 2011.

As colocações intermediárias de eventos 6 estrelas e prime necessitam ser melhor pontuadas.

André. Abs.

Pedro Quadros disse...

Olá, julgo boa ideia discutir-se a questão do "mid-year-cut", pois o processo é complexo e confuso - ainda mais quando se vê um surfista ter uma boa pontuação no WT e poder ter de abandoná-lo por causa da sua pontuação no WR (como ia acontecendo ao Tiago).

Já agora - como é possível a ASP atribuir o Rookie of the Year ao Julian Wilson, quando o Gabriel Medina ganhou 2 etapas do WT ??!!

Diogo Alpendre disse...

Olá a todos.

Obrigado André, antes de mais nada.

Tenho ouvido rumores de que o formato do ténis pode cair, juntamente com a rotação.. O facto de não dizerem nada sobre isso no Press Release, a mim, parece-me também um indicador de que eles não sabem o que farão.

Não é só uma questão de serem fora de série, é uma questão de serem isso MAIS terem percebido muito be como funciona o ranking, usando-o para subir. E olha, eu, por exemplo, acho o Yadin um grande talento e ele já esteve à porta muitos anos..

Concordo nisso das colocações intermediárias, as pontuações todas têm que ser ponderadas de forma a fazer valer os eventos mais "pequenos". É importante recordar que a ASP queria fazer os circuitos em formatos de pirâmide, em que os surfistas iam subindo dos júniores para os star, dos stars de 4 para 6, dos 6 para os Prime e daqui para o WT. Isso não está a resultar..muito por causa dos wildcards, por exemplo.

Pedro, o processo não é confuso..embora seja complexo. Hoje em dia os surfistas têm que capitalizar o seu esforço, ou seja, têm que ter bons resultados para ficar no WT. A verdade é que o Tiago só teve um e assim, não "merecia" estar no Tour..como tal, os surfistas do WT, têm o privilégio de poder ir aos Prime e tentar manter-se no Tour. Foi o que surfistas como o Tiago, Pat Gudauskas, Medina, Julian, fizeram. O que é verdadeiramente injusto é os surfistas do WT terem mais hipóteses de que todos os outros..porque só eles podem aceder aos eventos Tour e esses dão muitos pontos.

Quanto ao rookie of the year, a decisão final ainda não saiu..MAS, a ASP dá o prémio ao surfista que esteve melhor ao longo do ano. O Medina teve apenas metade.. Esta é a minha teoria :)

Um abraço aos dois e obrigado por comentarem.

Diogo aqui do blog

Anónimo disse...

E o nosso Fantasy Surfer!?

Abraço Diogo e boas ondas..


Hugo