30/08/2011

Slater vence em Teahupoo

"Vocês estão surpreendidos? Se sim, ou não leram o nosso diário do primeiro dia de competição (ver link) ou não seguiram o evento com a devida atenção. Mas já lá vamos. Primeiro vamos tratar de outros factos:
 
- Brett Simspon: A sério? O regular duas vezes campeão do US Open em HB chegou aos quartos de final em Teahupoo perfeito, eliminando no caminho, justamente!, Joel Parkinson (round 2, 13.34x10.33), Damien Hobgood (round 3, 17.26x16.70) e Freddy Patacchia (round 5, 17.33x14.00)? Será que agora vamos ter que levar a sério Simpo neste tipo de condições? Dizem os rumores que o resultado se deve ao facto de Brett andar a viajar com os manos Hobgood que lhe deram umas dicas de como surfar em Chopes..e parecem ter resultado!

- Matt Wilkinson: o nada discreto Wilko mostrou em Teahupoo que é mais do que um surfista de um só truque e mesmo estando desconfortável com o tamanho do mar e condições, consegue dar espectáculo, fazendo mesmo um 10 espectacular.

 - Jeremy Flores: nunca mais um menino, para sempre um homem. Se o facto de ser Pipemaster surpreendia algumas pessoas, a performance que teve em Teahupoo, e que lhe valeu o prémio "Andy Irons Forever", deve ter surpreendido muitas mais. Mas a verdade é que o jovem nascido na Reunião sempre gostou de mar pesado e tubos quadrados. Agora que conseguia levar esse amor e à vontade do freesurf para a competição, essa foi impressionantes. Resultado, duas notas 10, um 20 no total nos quartos-de-final, o 6º da história do surf competitivo.

- Josh Kerr: diz-me uma coisa, tu que estás a ler isto: viste o filme do Kerr, "Kerrazy Kronicles"? Se sim, o 3º lugar deste rapaz da Gold Coast não te surpreende. Se não, vai ver e vais perceber que este resultado não é por acaso. Ele gosta, muito, de mar pesado.

- Travis Logie: o herói do povo! The Log! A história do campeonato! O indestrutível! A força bruta! Chegou ao Tahiti sem pranchas e após uma logística por demais complicada, após horas e horas de vôo, vindo de França. Surfou com pranchas do Alain Riou e dos quartos para a frente, com pranchas do nosso Tiago, que encaixaram debaixo dos seus pés maginficamente. Depois de quedas espalhafatosas, Travis foi ao melhor de si buscar uma performance muito boa nos quartos-de-final. Por um heat não se qualificou para o Tour a seguir a 2012, era só chegar à final. Mas perdeu para Owen nas meias. Mas sai do Tahiti com a confiança redobrada e agora..cuidado com ele.

- Owen Wright: alguém escrevia na Internet que Owen se acha um verdadeiro candidato ao título mundial e que tem sentido cada derrota como uma ofensa pessoal. Depois de ter terminado esta etapa em 2º e ter mantido Kelly em maus lençóis durante uma boa parte da final, quem pode duvidar destes sentimentos de Owen? Já o dissemos e voltamos a repetir, é um futuro campeão do Mundo e a grande esperança da tribo de pé direito à frente.

- Kelly Slater: ele tinha feito um pacto com o Diabo. E ele nunca na vida ia deixar esta hipótese de voltar ao título mundial, passar..nunca, nunca, nunca. E venceu, bem, fazendo linhas únicas e altas, dropando mais dentro que todos (e só equiparado a Owen), escolhendo sem medo as de oeste, explodindo na altura certa, depois de construir uma casa ao longo de toda a prova. Ao mesmo tempo, ia destruindo a cabeça de cada um dos seus adversários, um a um, um a um.. E venceu, claro! E está de volta a número 1..e 1 mais 1, 11, claro.

Saibam mais sobre o evento em http://billabongpro.com/tahiti11/ "

Extraído daqui.

Sem comentários: