22/04/2011

Os outros

Não sou muito dado ao auto-enaltecimento nem a snobismos mas há coisas em que, efectivamente, me sinto melhor que outras pessoas.  Chamem-me o que quiserem e neste assunto, têm toda a razão. E sabem uma coisa, ainda bem. Prefiro ser assim.

Eu sou aquele tipo que chega à praia com um sorriso. Se passar por surfistas no caminho para ver o mar, digo olá, pergunto como estão as ondas, levanto o queixo em sinal de cumprimento. Muitas vezes sou ignorado. Quase todas as vezes sou ignorado. Quando estou à beira-mar, a decidir por onde vou entrar, se estiver alguém a fazer o mesmo que eu, vou lá e pergunto opiniões, agradeço a dica. Quando chego lá fora, nunca vou directo para o pico. Vou-me chegando até lá, com calma, onda a onda, sempre respeitando a ordem e ignorando os confrontos de galos que quase sempre acontecem. Devem pensar que sou maluquinho e que pertenço na ala psiquiátrica de um qualquer hospital pois cumprimento quem está na água - não para dizer que cheguei, sim para ser educado. Se vir alguém a apanhar uma boa onda, conhecendo a pessoa ou não, vou mandar um "yeeeew", uma boa onda será sempre uma boa onda. Aqui já me respondem, dizem obrigado e às vezes até sorriem. Sou de festejar boas ondas, sejam minhas ou não. Se estiver alguém que claramente não perceba nada do mar, sou tipo para avisar que vem de lá um set maior e que é melhor remar para fora. Cumprimento os chatos e incómodos turistas e "kooks" estrangeiros que muitas vezes invadem os lineups, acabam por ser mais eles que me permitem comprar uma prancha nova que os meus amigos de sempre. Miúdos dentro de água? Bora partilhar ondas puto! Gosto de apanhar boas ondas mas reconheço que todos temos o mesmo direito a elas e quando sinto que já apanhei um quantidade justa, saio da água, mais virão. Ir para água é um momento alegre no meu dia e uma coisa que, por diversos motivos quase todos profissionais, acontece cada vez menos pelo que não vou depositar a minha raiva nos outros, antes sim partilhar a minha felicidade por estar na água. Isto é com os outros.

Quando estou na onda, sozinho, as coisas são diferentes. Aquele professor cabrão que me roubou um valor? Toma lá junção. Aquele texto que saiu mal? Paulada com ele. Aquela discussão idiota com a namorada ou amigos? Prova do meu rail onda. Se não apanho a onda, filha da puta com ela. Se estrago tudo? Merda! Mas assim que remo para fora, já não sou só eu e o sorriso volta. 

Pode parecer estranho e incoerente. Se calhar até é. Mas sou sim e até gosto de o ser.

3 comentários:

NL disse...

Muito bem.
Na verdade, até gostava de ser mais assim, de conseguir interagir com a comunidade dentro de água, seja em que praia for. Mas nunca perco a alegria de estar desfrutar umas belas ondas.

Só não consigo aceitar a quantidade justa de ondas. Posso acalmar um pouco, dar espaço a todos, deixar passar algumas. Mas só vou sair da água quando não puder mais - a quantidade de ondas boas nunca é justa nem suficiente.

E durante a onda, por vezes é só desfrutar, sem exaltações nem raivas. Só prazer...
Boas ondas

Anónimo disse...

E como é q te comportas quando ta aquele crowd insuportável? ahah

Abraço

Anónimo disse...

Curtia um dia apanhar umas ondas contigo.
Mas ainda tou num nivel baixinho ; )

Abraço