19/06/2010

Bali Dreaming

E não digo mais nada....tirando....LEVEM-ME PARA A BALI! (fonte)

4 comentários:

mig disse...

Não é o que parece!
Acabei de chegar da minha 5ª viagem a Bali e as ondas que se vê nos filmes não são para todos. É preciso disputa-las com carga de ombro, muitas vezes com surfistas de grande nível (locais, australianos, brasileiros, etc..). Bali parece a Quarteira do Surf. Muita gente em todo o lado. Mas mesmo muita gente. Só de passagem.

Diogo Alpendre disse...

Olá Mig.

Pois, já suspeitava disso. Mesmo assim, as ondas são óptimas e um "gajo" sempre pode sonhar que as tem só para ele :) eheheh

E apanhaste boas ondas ou nem por isso (se não apanhar boas ondas é sequer possível na Indonésia..)?

Abraço

Diogo aqui do blog

mig disse...

Bom dia!
Apanhas boas mas tens sempre de contar muito com a sorte (muito mais do que é normal). E ter muita paciência também é importante.
No entanto, se saíres das praias mais mediáticas encontras mais sossego e também apanhas boas!
Mas Bali está a esgotado! Há que ir para outras ilhas, também na Indo mas bem longe de Bali como Sumatra ou Sumbawa (já para não falar das Mentawai, onde está prestes a surgir o 1º surfcamp Tuga, com onda privada e tudo)

NL disse...

Excelente tema para forum:
Que ondas estão acessíveis a um surfista de nível médio nas Mecas do Surf?

A minha experiência em Bali não foi má de todo. Não procurando as maiores, apanhei algumas das melhores, pelo menos em comparação com as praias Lusas.. Nos picos secundários, claro, e com muito rema rema para poucas ondas surfadas.

Costumo resumir a minha experiência relativa ao crowd na Indonésia deste modo: Nas Mentawais e em Sumatra, as ondas são nossas quando chega a nossa vez (às vezes até nos incentivavam para arrancar em ondas em que eu nem queria muito - "Go Mate, Go!!").

Nos principais picos das Mentawais (HT, Lance's Left, etc) quando a onda é nossa, ninguém dropina, mas também não dispensam nenhuma. Lutam por cada onda e temos que ganhar a prioridade no pico. Mas respeitam.

Em Bali, somos dropinados e bico calado. Depois dos locais e dos pros, temos que merecer ficar com a onda até ao fim pelo nível de surf, senão qualquer um pega a onda e não há nada a fazer... Mas com muitos sorrisos, bastante respeito e alguma paciência lá sobrava uma ou outra. Ao segundo dia, já me dispensavam umas secundárias (que para mim eram sempre excelentes).


Ps. Por todo o lado as meninas dropinavam quem quisessem, fosse qual fosse o seu nível de surf. Em Bali, os bodyboarders eram dropinados indiscriminadamente, noutras ilhas nem tanto. Definitivamente não é como nos filmes, com ondas perfeitas umas a seguir às outras.