28/12/2009

Boulevard of Parko's Broken Dreams

Com certeza que todos vocês conhecem o conceito/ideia "Boulevard Of Broken Dreams" (ou, pelos menos, a música e letra, da canção com o mesmo nome dos Green Day). Derrotas, seja em sonhos ou na via real, são sempre uma coisa que custa ao ser humano. Aliás, a derrota e o "partir" dos nossos sonhos, é sempre algo que custa. Não há como negar isto. Até podemos assumir o mérito do vencedor, dizer que estávamos em mau momento, todo o tipo de desculpas, mas no fundo, não importa e todos nós o sabemos - um sonho a sério a desfazer-se, uma verdadeira derrota, é sempre doloroso, para dizer o mínimo.
Deve custar ainda mais quando perdemos após meio caminho auto-convencidos que a vitória era nossa. Já perceberam do que estou a falar, é óbvio - a derrota na procura pelo título mundial de Joel Parko.

Acaba por ter algo de justo, perdoem-me os fãs do australiano. Sempre foi o Mr.Nice Guy mas essa imagem contradizia com uma postura arrogante, superior, quase elitista que ia mostrando nas ruas do Dream Tour.. Uma postura um pouco Billabong até. Pois bem, este ano, foi a facada. A meio do ano, a vitória era do Parko, as t-shirts já estavam no forno, a Billabong arregalava os olhos. Arrogância de uma pessoa e de uma marca que já estão há tempo suficiente no negócio para perceber que não é assim que as coisas funcionam. E Fanning provou isso.

No seu último post, Parko assume a derrota, com o fair play com que tem sempre assumido, mas reconhece que o vídeo que nesse post deixa (e que também podem encontrar no fim deste post) era suposto ser sobre a vitória no título mundial, não sobre a derrota. Assumir coisas como garantidas demasiado cedo é....demasiado cedo. It might just turn out wrong, right? Right.

Mais ainda, o australiano Sean Doherty, conhecido jornalista e escritor de surf, andou atrás de Parko o ano inteiro com o objectivo de escrever sobre o (ou como queriam que tivesse sido, "O") ano de Parkinson no Tour. Um título mundial tinha sido melhor clímax para o livro que uma derrota, pelo menos aos olhos de Parko e Billabong. Nem se sabe se o livro vai sair ou não.

É simples:  "It's not over until it's over" e isto deve ser uma lição de vida (não querendo eu ser moralista ou pregador).

1 comentário:

Anónimo disse...

devo confessar que até me deu gosto o parko nao ganhar...sobretudo depois do episodio com o saca em teahupoo....