30/05/2009

Será positivo o The Search em Portugal ?

A pergunta não é nova e tampouco é o problema. Será positivo o The Search em Portugal? Provavelmente esta pergunta já passou na cabeça de todos os surfistas cá do burgo mas se calhar, não reflectiram com a cabeça no lugar ou não analisaram todos os factores. Ou se calhar fizeram-no, não sei. De qualquer modo, é o que quero fazer com este post, uma reflexão crítica sobre este campeonato que todos ansiamos que chegue a Portugal..
Quando começámos a ouvir isto, os prós a falar, as imagens do The Search a sair, os logos, tudo, o pessoal começou logo a entrar numa de euforia. Era os prós cá, as festas, as míudas, o The Search em Portugal, o The Search na Europa, o regresso de um WT a Portugal, espectacular. Muitos de nós ainda vivemos nesta euforia e eu faço parte desse grupo, com certeza. Mas ao escrever este post, ou melhor, ao ter a ideia sobre escrever este post, tive que começar a pensar, analisar prós e contras.. Fiquei com medo. Vamos recapitular os The Search que já ouve : 2005, Ilhas Reunião, água quente e esquerdas perfeitas numa onda conhecida pela sua consistência; 2006, México, água quente e uma direita linda e foi um campeonato que foi elogiado como tendo sido um dos melhores de sempre no circuito mundial de surf; 2007, Chile, água fria numa belissima onda tubular para os dois lados, uma onda onde desde há muitos anos há campeonatos mundiais de bodyboard; 2008, Bali, é preciso dizer alguma coisa? Esquerdas lindas num paraíso. 2009, Portugal, sendo o mais provável Peniche, ondas para todos os gostos, em água fria, algo inconsistente mas porque Peniche é uma península, nalgum sitio há de estar bom ! Notam aqui alguma coisa ? Eu noto. Todas as ondas onde já houve efectivamente um The Search, são efectivamente ondas. Saint Leu, Barra de La Cruz, Arica e Uluwatus/Padang Padang. Será que cá vai ser Super Tubos ? Lagide ? Baleal ? Estão a ver onde quero chegar? É que quando se planearam The Search houve uma preparação tal que se chegou a uma onda, um nome, era lá. A organização tinha aquilo a funcionar e a onda havia de funcionar, aquela onda havia de funcionar de certeza. Então e eles agora metem The Search Peniche? É sabido que Outubro é um bom mês de ondas em Portugal mas não parece um bocado "safe bet" fazer do The Search o The Search Portugal Peniche (se se vier efectivamente a concretizar..) ? Por um lado é bom, está bom nos Super, temos tubos. Estão altas no Lagide, vemos a rapaziada a ripar as paredes daquelas ondas. Dá para ser uma espécie de Feira das Variedades, é simpático. Mas será que vão pôr o público, painel de júris, infraestruturas a andar de praia em praia? Não sei. Também não falo com verdadeiro conhecimento de causa, não sei como é organizado o WT em termos de logística. Se for tipo WQS 6*, err..., not gonna work.. Mas estas são apenas algumas das preocupações a ter em conta. Pensemos agora em termos de cobertura media. É óbvio que é muito dificil para o WT ter a cobertura que um jogo de futebol tem mas seria pelo menos simpático fazer algo tipo Estoril Open ou assim. O meu sonho que vai além de um sonho, é uma utopia, era tudo em directo na televisão. Impossível, óbvio. Temos o webcast que já é óptimo. Gostava também que aparecesse um resumo do dia num jornal nacional da noite, em que alguém de qualidade reconhecida e não um repórter qualquer, faria a reportagem do dia. Talvez um Zé Seabra, José Manuel Braga, João Valente, Pedro Barbudo, alguém que efectivamente saiba da coisa. Adorava ver grandes banners espalhados pelo país, agências de viagens com programas especiais, faculdades a não cobrar faltas, o Saca a ganhar, o Parko a ter medo de sair do hotel, DIOGO, ACORDA !!! No fundo, tenho medo que Portugal, mais uma vez e como às vezes acontece noutros campos da vida, desiluda. É que pelo que se ouve os prós não estão sequer com vontade de cá vir (felizmente têm que vir), foi em Portugal um dos primeiros WT cancelados (o Figueira Pro há uns anos..). Tenho medo. É que neste momento Portugal está a criar uma imagem de local de surf, lentamente mas firmemente e um WT que corra mal pode estragar algo que tanto trabalho está a dar a criar. Pensam que foi fácil gerir um campeonato 6* do WQS feminino em Portugal de maneira a garantir as excelentes condições que estiveram ? E foi um evento que deu bastante credibilidade a Portugal ! É um grande risco esta volatilidade dos eventos de surf num país em que o surf não está ainda enraizado..

É esperar para ver.

P.S. Este post não está muito bom...sorry about it.

28/05/2009

Para tirar ainda mais dúvidas..se as houver !

Estava eu passando pelo site da minha revista predilecta, a Stab Mag, quando, num artigo sobre o Kelly Slater e a eventualidade de ele se retirar este ano, me deparei com isto :

"World number eight Tom Whitaker says none of it would have affected Kelly’s decision. There is only one thing that’s been keeping Kelly on tour and nothing’s changed. “He likes travelling around the world,” said Tommy. “He loves Pipe. He’s definitely gonna go to [the Rip Curl Search] Portugal because the place where we are staying has a sick golf course. Plus he’s got a missus now to show the world.” "

E lá se vão ainda outras dúvidas que alguém, que não eu, possa ter.

Ah, João Leal, este é outro dos motivos que me leva a ter a certeza que o WT vai ser em Tugalândia ;) !

P.S. Caros leitores do blog, preparem-se, amanhã vem um post crítico sobre a possibilidade (certeza) do WT em Portugal. Tenham medo, muito medo..ou não.

P.P.S Aproveitem e leiam o interessante artigo seguindo o link que se segue : http://www.stabmag.com/jed/kelly-slater-does-not-retire/

Um bom dia surf

Eu penso muitas vezes no que será um bom dia surf. Não um bom dia de surf, isso é fácil, é só boas ondas e confiança para as surfar. Penso nisto porque tenho vários momentos de surf que posso dizer que são bons momentos de surf. Uma surfada boa. Um artigo fixe na net. Uma vitória de um surfista preferido. Várias coisas. Mas não sei se essas coisas tornam um dia normal num bom dia surf. Hoje, relembrei (porque tinha esquecido e daí todas estas questões) o que é um bom dia surf e porque são tão ou mais importantes que bons dias de surf.
Hoje à tarde, eu e o meu companheiro de surfadas Miguel (que também escreve aqui no blog), fomos para a praia. Fomos, especificamente, para a Costa da Caparica. Sair da faculdade, ir a casa, pegar no carro, meter as pranchas lá para dentro, apanhar o Miguel, checkar a Costa toda (vá se lá saber porquê), parar no Barbas, vestir à pressa, entrar, apanhar umas ondas, rir um bocado lá pelo meio, fazer ondas e take-offs em switch, encontrar pessoal conhecido, mais umas ondas, trocar de pranchas (o c***** queria experimentar a minha 5'8 nova), ver o resto do pessoal a apanhar umas e eu a não conseguir porque a prancha do Miguel não dá para mim, reaver a minha prancha, apanhar mais umas ondas, sair da água, reflexões sobre a minha prancha (não é que o gajo agora quer uma igual?), pegar no carro e de volta a Lisboa. Chegar a casa, fato a secar na janela, banho, jantar, notícias de surf, blog. Este é um bom dia surf. Não estavam ondas especialmente boas nem surfámos especialmente bem. Não estava cheio de pica para surfar. Fomos surfar, sem pressões, numa boa. Este é um bom dia surf. E, sinceramente, têm mais valor que bons dias de surf. Porquê? Porque são estes bons dias surf que nos lembram porque surfamos e são estes dias que nos permitem ter bons dias de surf. Hoje, foi um bom dia surf.

26/05/2009

Mail do blog

Caros seguidores do blog, ao que parece, o blog tem experienciado alguns problemas técnicos. De modo a que seja mais fácil dizerem-nos quando houver esses problemas, criámos o mail do blog cujo endereço aqui deixo e vai estar disponivel na barra lateral. Algum problema ou qualquer outra situação exclusivamente relacionada com o blog, mandem um mail ! Digam-nos porque senão nós não sabemos. Obrigado de antemão e obrigado ao João Afonso pela informação de que o blog estava com alguns problemas.
Obrigado e boas ondas !
P.S. Entretanto, penso que a situação já esteja resolvida.

25/05/2009

Desaparecidos

Não sei se é de mim ou se alguém se chateou com o mundo do surf mas reparei que a frequência a este blog diminuiu um bocadinho, pelo menos nos comentários e tal. É estranho porque :
- não estão altas ondas;
- não está a haver WCT ou WWT;
- não estamos em época de exames de faculdade;
- qualquer outro motivo que não justique.
Só sei que não estou nada contente e estou preocupado. A malta aqui do blog deixou de escrever bem ou deixou de escrever coisas interessantes? É que se não nos disserem, também não sabemos. Anyway, obrigado por irem passando e continuem a passar, se faz favor, que eu já estou a ficar triste e se fico triste, tenho que ir surfar e depois falto às aulas da faculdade. Estou a brincar. (não estou não!)
Agora, em vez de ficarem a pensar na minha idade mental, vejam esta interessante notícia do site da Onfire Surf Mag
P.S. Entretanto, os Power Rankings quer do Lewis Samuels quer do site Surfline.com, já foram publicados. Dêem uma olhada.

23/05/2009

Inacreditável

Infelizmente não consegui pôr aqui o vídeo mas sigam o link e vejam-me este aéreo do Eric Geiselman. Vale mesmo a pena. Inacreditável é pouco.

20/05/2009

Andy Irons

Se calhar os mais distraídos não repararam mas durante um ou dois heats dos quartos de final, quem teve no webcast do Billabong Pro Teahupoo, foi a dupla Andy Irons/Joel Parkinson. Nada de especial nisto, é normal e recorrente surfistas "subirem" ao webcast para dois dedos de conversa ou para cobrir alguns heats. O que a mim me surpreendeu foi o facto do Andy Irons ter lá estado de todo . É sabido que nos últimos anos o mano mais velho de Bruce Irons fartou-se da cena toda dos eventos, as short interviews, os media todos lá, a atenção excessiva dada aos surfistas, entre outras coisas. Por isso, foi com surpresa que vi o Irons no webcast. Mas foi ainda com maior surpresa que ouvi o webcast enquanto durou. É que durante aqueles dois heats, Joel Parkinson e Andy Irons estiveram muito bem dispostos, divertidos, a rirem-se, interagindo com a malta online e tudo. O mais estranho é que ambos já tinham perdido por essa altura, sim, o Andy Irons divertido e feliz, depois de ter perdido (A.I tinha participado neste Billabong Pro Teahupoo como wildcard). Não sei se é do ano sabático ou da derrota não ter consequências de maior, não sei mesmo. Sei apenas uma coisa, se o Andy Irons vai com esta disposição para o WT de 2010, vão rolar muitas cabeças e ele vai-se tornar automaticamente um favorito à vitória na corrida ao título de campeão mundial, apesar do mau seeding que vai ter e de mais motivos que se possam arranjar. É esperar para ver..

Foto : ASP/Getty Images

Resultados das previsões para o Billabong Pro Teahupoo

Errr... Eu nem queria trazer isto à baila mas o meu sentido moral e consciência disseram-me : "Diogo, lá por teres feito asneira não quer dizer que não fales das asneira ! ". E pronto, aqui estou eu. Não quero estar para aqui a dizer tudo em que falhei porque basicamente falhei nas previsões todas. Vou apenas dizer que acertei quanto ao Taj Burrow. Tinha dito que este em mar pequeno e manobrável se destacaria e foi exactamente isso que aconteceu.
De resto, falhei quanto ao Kelly, Andy, Patacchia e até mesmo os gémeos Hobgood, Saca, Bourez, Jordy e Kieran Perrow. Não tenho mais nada a dizer, a humilhação pública acabou. E nem sei como me esqueci de apostar no Bobby Martinez, que alcança bons resultados aqui desde sempre !
Para minha defesa, o evento não foi normal, sucessivos lay-days e poucos tubos comparando com o normal, foi um evento de coordenação entre tubos e hacks e eu não estava a contar com isso.

Billabong Pro Teahupoo chega ao fim

E finalmente, chegou ao fim o Billabong Pro Teahupoo do WT. Este evento que normalmente é caracterizado por grandes e bonitos tubos para a esquerda, este ano só pôde contar com tais condições nos Trials, nos quais quem acabou por vencer e destacar num excelente grupo de surfistas, foi Heiarii Williams, um local tahitiano. Esta competição foi, também, marcada pelo regresso do três vezes campeão do mundo, Andy Irons, ao WT, se bem que em wildcard.

No Round 1, podemos destacar várias coisas. Logo o primeiro heat destacou-se pela negativa, foi o heat com as notas mais baixas de sempre em Teahupoo, 3.90 Timmy Reyes vs 3.23 Micky Picon. Já pela positiva, o Coolie Kid Dean Morrison consegui a melhor pontuação do round (e uma das melhores do evento) com um 17.00 contra o californiano Nathaniel Curran. Como já tinha dito num outro post por altura do inicio do evento, o Marlon Lipke passou muito bem o seu primeiro heat e por outro lado, Tiago Pires perdeu com o Josh Kerr.

Dean Morrison num bonito tubo

No Round 2, que só aconteceu passado alguns dias devido às condições do mar que não terem sido as melhores para a competição durante vários dias, o grande destaque vai para a derrota do nove vezes campeão do Mundo, Kelly Slater, face ao destaque da ronda, Aritz Aranburu. Foi um excelente heat em que The Hell conseguiu um 15.00 e o basco, 17.27. Nesta ronda perdeu o Marlon Lipke contra o autraliano Taj Burrow, que aqui começou a sua boa campanha neste evento.
O Round 3 e todas as fases seguintes realizaram-se todas no mesmo dia, ontem. Neste round 3 veio a grande derrota do evento, o vencedor das duas primeiras etapas, Joel Parkinson perdeu contra um muito em forma Taylor Knox que demoliu o australiano com um 15.46 vs 5.57. Também Andy Irons perdeu, frente ao americano Bobby Martinez.

Os quartos de final foram marcados por um bom primeiro heat que opôs o eterno favorito em Teahupoo, C.J. Hobgood e Taj Burrow, sendo que desta vez foi este último foi quem levou a melhor neste "close heat" : 15.33 vs 14.06. Outro surfista que costuma brilhar nesta onda e, que inclusivé já foi vencedor em 2006, Bobby Martinez venceu com um 15.93x12.67 o brasileiro Adriano de Souza.



Taj Burrow preparando o próximo hack.


A primeira meia final que opôs Michael Campbell, um veterano do tour, que se vinha a destacar discretamente, a Taj Burrow que vinha a apresentar o melhor surf, conciliando turns e snaps mesmo no pocket das ondas e bonitos tubos. Foi Taj Burrow quem venceu esta meia final 14.86x10.00. Estava assim encontrado o primeiro finalista.

A segunda meia final sugeria espectáculo garantido e os intervenientes não desiliudiram, tal como os scores mostram : Bobby Martinez com um 17.17 vs um 15.23 de Aritz "Carrasco de Slater Aranburu.
Contudo, o surf espectáculo estava guardado para a final entre Taj Burrow e Bobby Martinez. Este último começou com duas ondas boas enquanto o australiano começou com apenas uma e depois teve que lutar por sair da combinação em que Bobby Martinez o deixou. Infelizmente para ele, Taj Burrow não conseguiu sair da "combo" e como tal, foi o Bobby Martinez quem faz a festa. Os scores foram : 18.46x16.10.




Com este tubo, Bobby Martinez conseguiu a melhor onda da final e do dia !


Martinez festeja a vitória no Billabong Pro Teahupoo.

Após este evento, o Top 10 do WCT é composto desta maneira (retirado das notícias do site www.aspworldtour.com) :

1 – Joel Parkinson (AUS) 3000 points 2 – Taj Burrow (AUS) 2318 points 3 – Mick Fanning (AUS) 2208 points 4 – C.J. Hobgood (USA) 2196 points 5 – Adriano de Souza (BRA) 2174 points 6 – Jordy Smith (ZAF) 2076 points 7 – Bobby Martinez (USA) 2025 points 8 – Tom Whitaker (AUS) 1932 points 9 – Fredrick Patacchia (HAW) 1886 points10 – Kieren Perrow (AUS) 1742 points 10 – Taylor Knox (USA) 1742 points 10 – Damien Hobgood (USA) 1742 points

Quanto aos "nossos", Tiago Pires está em 30º lugar e o Marlon Lipke em 35º.

A próxima etapa do WT vai ser no Brasil de 27 de Junho a 5 de Julho. Esta é uma das maiores mudanças no calendário do WCT relativamente ao ano passado.

P.S. Todas as fotos, ASP/Getty Images

Engraçado 3

Já tinha disponibilizado aqui no blog os outros dois vídeos dos surfistas que foram convidados pela Surftotal para fazer uma surftrip a Sumatra. Hoje, depois dos vídeos do David Luís e do Edgar Nozes, aqui fica o vídeo do António Silva. Está giro. Digam-me qual dos videos é o melhor e qual deles apresenta o melhor surf e, depois, o melhor estilo.

Antonio Silva Surf Indonesia from Black Market Productions on Vimeo.


E aqui ficam os links para os outros dois videos :



David Luís -
http://linhadeonda.blogspot.com/2009/04/engracado.html

Edgar Nozes - http://linhadeonda.blogspot.com/2009/04/engracado-2.html

18/05/2009

16/05/2009

Putos

Este mês resolvi cometer uma loucura, comprei a Surfer Mag e a Surfing Magazine e a Transworld Surf. Sim,
para cima de 20 euros arderam em revistas.. Mas olhem, tinha uns trocos a mais e apeteceu-me. Ainda bem que comprei porque se não o tivesse feito, não estaria agora a escrever este post. Vamos ao que interessa.


A Surfer deste mês vem com aquele segmento extra, Hot 100, uma pequena revistinha com um guia para os 100 melhores jovens surfistas. Li este segmento com interesse e atenção, recolhi mentalmente os nomes que irei ter que seguir este ano, tanto a Surfer promete.
Sinceramente, estou com medo. Não é todos os dias que se fazem estas listas e se prometem estas coisas, é um grande risco mas uma revista como a Surfer pode prometer e dizer o que quiser.. Foi por esse pequeno segmento que comecei a minha leitura. Há momentos, acabei o resto.
Então não é que já há putos, desculpem mas não têm outro nome, com 11, 12, 13, 14 e 15 anos com grandes anúncios? De duas páginas? Nas três revistas e no segmento extra !!! Eu sei que o surf está a passar por uma altura da sua vida em que vive muito da sua imagem e sei, também, que os americanos promovem e adoram estes medias darlings mas mesmo assim, são apenas míudos !! Putos !! Se o que dizem e o que o Andy Irons diz sobre o seu ano sabático é verdade, ele fartou-se um bocado da sua própria imagem, da sua imagem para o surf, da comercialização da sua imagem (entre outras coisas). E ele foi um jovem surfista que nasceu tarde para a mediatização do surf, na casa dos 20 anos. Imaginem agora o que pode acontecer a estes míudos ! Ainda não entraram no WT e já estão em colpaso nervoso, não? Será que é mesmo este o rumo que se deve tomar quanto ao incentivo dos jovens surfistas ? Eu sei que eles partem a loiça, são os melhores da rua e da praia deles mas mesmo assim.. Em Portugal ainda se percebe, é um meio pequeno e se se quer incentivar o surf, até esses nomes são precisos, não há muitos mais. Mas lá fora..
Também sei que a responsabilidade não de todo deles, mas parece haver uma falta de bom senso geral nesta indústria do surf..
Em baixo, Kolohe Andino de 15, o puto da Billabong adorado pelas revistas americanas desde que tem 13.


Em baixo, Kalani David, 11 anos e já faz anúncios de duas páginas para a RVCA, que o patrocina (!!)



Deixem os míudos ser míudos !

What the..?!

Para quem ainda não se apercebeu do 'quanto' as senhoras do WWT estão a surfar, aqui está mais uma prova irrefutável: Layne Beachley a fazer (ainda mais) história, depois de surfar a que está a ser considerada a "Melhor onda de sempre surfada por uma mulher na Austrália".

Vejam toda a sequência fotografada por Billy Morris aqui:
Coastal Watch.


Enfim, se não chegar, basta assistirem às provas do WWT...

14/05/2009

Mas que raio estão eles a fazer?

Sinceramente, desde que o ano passado a notícia "saiu para a rua" quanto ao novo formato do circuito mundial de surf, vulgo WT, para o presente ano de 2009, tenho estado apreensivo. Como se fosse algum jornalista importante, dei-me ao luxo de deixar passar os dois primeiros eventos do ano, ir a meio um terceiro evento, algumas notícias e algum tempo. Fui recolhendo opiniões de quem sabe, de quem não sabe e de quem se limita a ver e comentar. Cheguei à conclusão que este formato, sucks. Contudo, nem tudo me parecia mau. Para os que não sabem, este formato incluía-se numa série de mudanças que iriam culminar no ano de 2010 em que este famoso formato da morte súbita se tornaria obrigatório em todos os eventos para além da fusão entre WCT e WQS, um regresso ao passado se bem que noutros moldes. WCT e WQS seriam fundidos num circuito estilo PGA do Golfe, funcionando em base de ratings e rankings, ou seja, os surfistas tinham que subir de ranking para chegar a eventos de maior ranking, sendo que o WT só estaria disponível aos top 16 dos que estivessem no ranking de 6*. Confusos ? É natural. Mas não desanimem, era uma coisa boa. A meu ver, não só fomentava os circuitos regionais e nacionais, como diminuiria os custos gerais dos circuitos.
Agora, ao que parece, esta fusão foi abandonada (pelo menos não vai acontecer em 2010. Motivos : a crise económica internacional).
Resumo, grande, grande, grande, grande consfuão.
Ora a meu ver, aquele formato acima descrito, estilo PGA tour, parece-me muito aceitável, até mesmo bom. É dificil de explicar mas era óptimo por diversos motivos, contudo, lança-lo é dispendioso, daí o abandono para já. Sou absolutamente apologista (até prova em contrário) desta fusão. MAS, pela maneira que a ASP contava a história, esta fusão só era possível se se adoptasse o formato da morte súbita para o WT. Confuso? Yup ! E isto é a ASP !! Não há de haver confusão na FPS e ANS..mas isto são outras histórias. Voltando à ASP. A fusão foi abandonada, a morte súbita ainda está on e a dar barraca e a malta não sabe bem para onde está a ir !
O que eu gostava que isto desse era : fusão dos dois circuitos mais antigo formato (after all, todos merecemos uma segunda oportunidade).
O que acham?
Este post veio do facto de, após uma reunião da ASP com os surfistas do WCT, em conjunto terem chegado à conclusão de que os seguintes três eventos vão ser feitos no antigo formato de certeza : Hang Loose Santa Catarina Pro, Hurley Pro Lowers e Quiksilver Pro France. O Billabong Pro J-Bay e o Billabong Pro Mundaka depende das condições dos três primeiros dias e o Rip Curl Pro Search North Atlantic vai ser discutido nas próximas semanas. Leia esta noticia no link que se segue http://surfermag.com/features/onlineexclusives/asp_sudden_death_format_suddenly_dead/.
Resumo do post : Confusão.

13/05/2009

Billabong Pro Tahiti

Recomeçou há momentos o 3º campeonato do World Tour, em Teahupoo.
Para verem os heats em directo basta carregarem na barra do lado direito do blog que são automaticamente direccionados para o site do campeonato.

Está prevista para hoje a conclusão do round 1 (faltam apenas dois heats):

Heitor Alves BRA
Michel Bourez PYF

Roy Powers HAW
Mick Campbell AUS


E a realização de, pelo menos parte, do round 2:

CJ Hobgood USA
Phillip MacDonald AUS

Jeremy Flores FRA
Jay Thompson AUS

Kieren Perrow AUS
Tim Reyes USA

Taj Burrow AUS
Marlon Lipke DEU

Fredrick Patacchia HAW
Josh Kerr AUS


Adrian Buchan AUS
?-

Taylor Knox USA
Kai Otton AUS

Joel Parkinson AUS
Heiarii Williams PYF

Bede Durbidge AUS
Andy Irons HAW

Bobby Martinez USA
Dayyan Neve AUS

Adriano de Souza BRA
Dustin Barca HAW

Jordy Smith ZAF
?-

Kelly Slater USA
Aritz Aranburu EUK

Damien Hobgood USA
Dean Morrison AUS

Mick Fanning AUS
Ben Dunn AUS

Tom Whitaker AUS
Tim Boal FRA

Júlio Adler

Eu nem sei como hei-de escrever o que quero. Já tentei por mais de vinte vezes escrever estas linhas que me estão na cabeça mas que insistem em não vir para o pc. Não querem sair, não querem e não sei porquê. Mas com estas palavras estou a tentar novamente e sei que, para já, estou a conseguir.

Tenho passado a manhã de hoje em volta do pc, ver o mar, ver os sites de surf, blogar um pouco por aqui e esse ritual todo. Há poucos momentos, a net caiu e eu, irritado, lá tive que fechar as janelas de net. Como estava a querer ver aqui umas coisas pelo meu blog, voltei a ligar a net e acedi ao meu blog. Username, password, painel... Quando chego ao painel, vejo no canto superior direito deste, uma coisinha a dizer "1 seguidor". Bom, até àquele momento, nem nunca tinha reparado naquilo. Curioso por saber quem seguia este modesto spot na net, carreguei naquilo. E apareceu o meu seguidor. A boca, o queixo, o nariz, os olhos e as orelhas caíram-me. O nome, aliás, o Nome, era o de Júlio Adler. Para quem não sabe, Júilio Adler é um conhecido cronista de surf e surfista brasileiro. Escreve também para a Surf Portugal entre outros sitios, nomeadamente, o seu blog que está na lista de links a seguir deste blog. Para mim e juntamente com a malta do Ondas, Júlio Adler é um mestre, um ícone. É uma das coisas que me faz comprar a revista Surf Portugal ! O humor que imprime nos seus textos e as suas opiniões são para mim coisas quase divinas !

Muitos de vocês poderão estar agora a pensar, "E então? Júlio Adler é cronista de surf, tem que estar informado e saber de várias opiniões do surf. É normal que ele siga este blog e ainda outros milhares de blogs, este é só mais um blog que ele segue". Concordo. Poderão ainda acrescentar, "Diogo, não dês muita importância a isso, de certeza que te adicionou e pronto e se calhar nem passa aqui no linha de onda/como é que está o surf." É verdade e concordo mas para mim, só estar este nome, aliás, este Nome, a seguir o meu blog, o meu cantinho, é um momento de orgulho, um momento de grande orgulho, aliás, é um marco na história da curta existência deste blog. Não importa se o lê todos os dias ou só o leu uma vez na vida (obviamente que preferia que o lesse todos os dias), meu Deus, é o Júlio Adler, a seguir este blog ! Mais, o link deste blog onde estão a ler este post, está nos "Blogues" do blog do Júlio Adler. Estou muito, muito orgulhoso. Até sinto isto como uma grande responsabilidade, tenho que continuar a escrever aqui, religiosamente, textos bons, interessantes, críticas e análises. Não posso, nem quero, parar.

Não me resta dizer muita coisa, apenas obrigado. Muito obrigado Senhor Adler e a todos os que seguem este blog. A sério, obrigado.
P.S. Consegui.

"Surf alternativo 2"

Como resposta ao Surf Alternativo posto pelo meu amigo e colega de blog Miguel, o nosso amigo do Mares do Mar (desculpa-me por não saber/lembrar do teu nome) deixou-nos um link para outro surf alternativo. Achei uma sugestão tão alternativa como a outra que resolvi por aqui o video que ele sugere. Aqui vai :
(obrigado Mares do Mar, sem senhor nem você ;) )



P.S. Então no fim de semana, lá estamos nós na Costa, possivelmente. Contem é que esteja mais gente, vai la haver o Moskito Electric Tour na praia do CDS.

12/05/2009

"Surf Alternativo"

Ao ver este vídeo fiquei literalmente estupefacto, com a capacidade destes surfistas de surfar nestas condições, desta forma..
Além de ser uma onda bastante fora do normal, mesmo tratando-se de uma onda de rio, o nível das manobras e do "surf progressivo" demonstrado, da continuidade de manobras por onda, deixa-me mesmo incrédulo..
Serei o único?!


Um post diferente

Eu não quero por nada copiar os meus mentores do Ondas que por vezes fogem do surf para fazer posts. Não quero mesmo. Mas visto que eles são os mestres, eu o aprendiz e um dia gostaria também de ser mestre, dei-me ao luxo de fugir um pouco ao surf. Tal como o Ondas por vezes faz. Contudo, não foi um fugir por fugir, por não ter ideias para escrever sobre surf (Deus sabe que ideias não faltam, nem tempo para escrever, apenas não quero sobrecarregar os seguidores deste cantinho com análises todos os dias). Fugi porque por acaso mesmo, me cruzei com esta imagem e me emocionei de uma maneira..intensa, no mínimo. Chamem-me sensível, é verdade, não o desminto.

11/05/2009

Bem e recomenda-se..

Um dos meus surfistas de prelecção é o rei do estilo goofy, Rob Machado. A meu ver, fora do circuito competitivo, ele ainda está a surfar melhor.. Uma prova disso ? Aqui vai esta fotografia, tirada por Jason Reposar que foi retirada por mim do site do infame Lewis Samuels.



O que acham? Style master ou mais um da fantástica geração "Momentum" que marcou o início do surf progressivo e actual? Ou ambos? Please, state your point..

10/05/2009

Marlon ontem..

Uma pequena amostra do que o Marlon fez ontem em Teahupoo..


O link que se segue é para os Heats-on-demand do evento do WT masculino que está a decorrer até dia 20. Dêem lá um salto e vejam os heats do Marlon Lipke (Yuppy!!) e do Tiago Pires (ohhh..)...

09/05/2009

Marlon Lipke - Billabong Pro Teahupoo

E só para mostrar como elas são, o Marlon acabou de ganhar o heat dele contra o Drew Courtney com um 7.17 e um 7.83. O Occy já está a dizer que o Marlon vai ser perigoso neste evento.
E. contente por ter ganho, o Marlon apanhou uma ondinha de merda mesmo no fim do heat e fez aqueles hacks de frontside mesmo à Marlon e o Occy gritou histericamente !
Go Marlon !!
E só para dar um baile a todos os que dizem mal do Marlon, na flash interview o Marlon disse que representa para além da Alemanha, Portugal. E com muito orgulho pois foi lá que cresceu.
É importante notar que é a primeira vez do Marlon em Teahupoo e é o seu primeiro heat ganho no World Tour.
Go Marlon !!
Sigam o evento através do widget ASP aqui ao lado ou seguindo o link apresentado nesse mesmo link.

08/05/2009

Billabong Pro Teahupoo - Previsões

Bem, como tinha dito há umas semanas atrás, vou fazer previsões para os eventos do WT masculino. Como tal, aqui vão as do Billabong Pro Teahupoo :

Este é um dos eventos mais difíceis de advinhar/prever quem será o vencedor, destaques ou desilusões porque não só depende muito da inspiração de cada surfista, como também depende muito do mar. E ao ler isto vocês estão a pensar "Bom mas isso é assim em qualquer lugar". Sim, têm razão, mas há muito poucos sítios onde isto faz tanto sentido como em Teahupoo. Por exemplo, se o mar estiver excepcionalmente grande, não acredito numa vitória de um Parkinson ou de um Fanning. Nesse caso, acredito mais na vitória de um Andy Irons (que está de regresso aos eventos do WT, se bem como wildcard), do Slater (que a entubar em Teahupoo quase me faz chorar) ou de um goofy footer que esteja embalado, ou seja, Patacchia ou C.J. Hobgood. Caso o mar esteja estranhamente pequeno (esperemos que não), como aconteceu há uns anos, entram surfistas como Taj Burrow, Dane Reynolds, os Coolie Kids Parko e Fanno e os goofy-footers (que em mar mais pequeno têm maior facilildade em entubar enquanto o resto da malta anda a destruir lips) novamente na equação. Uma coisa muito importante a não esquecer é que Michel Bourez vai estar a surfar em casa, com tudo, TUDO, o que isso significa, pelo que, no meu entender, é um sério candidato à vitória em qualquer tipo de mar. Aliás, ele é candidato a uma vitória em grande. É sempre importante lembrar o papel dos wildcards, que neste evento serão Heiarii Williams (vencedor dos trials), Bruno Santos (que...errr...ganhou o ano passado com um banho de bola a tudo o que é atleta de WT...) e o Irons que é sempre o Irons, ou seja, um perigo em quaisquer ondas mas sobretudo neste tipo de onda. Outro surfista a ter em conta é Kieran Perrow. É bem sabido o seu apetite por ondas buracosas como Teahupoo para além da qualidade dos seus tubos e encaixes in-extremis.
Quanto ao "nosso" Saca, poderá dar-se o caso de procurar a vingança relativamente ao que se passou no ano passado e estando ele mentalemente forte (que tem tudo para estar), pode alcançar nesta terceira etapa do WT o seu primeiro bom resultado do ano (para além da vingança). A sua primeira prova de fogo será contra o Air Showman australiano, Josh Kerr. Está nas mãos do Saca a vitória (ou será nos pés?). Quanto ao Marlon, conta com a vantagem de surfar de frontside mas, por outro lado, é algo inexpriente naquela onda, sentimento que é comum ao seu adversário no round 1, o australiano, e também rookie, Drew Courtney, também ele inexpriente em Chopes (e ainda por cima de backside...GO MARLON !!).
Também há sempre aquelas surpresas, surfistas darkhorse que ganham momentum ao longo do evento e acabam a levar o caneco para casa (por exemplo o Ace Buchan em França o ano passado).

Portanto, estão a ver como é difícil prever o que quer que seja, não estão?

As minhas escolhas para este evento são, então, variadas mas posso resumir desta maneira : Dois surfistas que podem estar bem em qualquer tipo de mar em Teahupoo são o C.J. Hobgood (que está em 5º lugar nos ratings do WT e deve estar com vontade de se chegar mais lá acima) e o seu "maninho" Damien que não deve estar a gostar de estar tão longe do seu irmão nos ratings. Caso o mar dê para o grande, sem dúvida o Slater ou o A.I vão partir a loiça. Se estiver pequeno, ambos vão estar a borrifar-se e o Slater vai aparcer a surfar de 4'11 ou qualquer skate do género. Caso o mar esteja médio (o que será médio em Chopes?) acredito que o Parkinson também possa fazer algo.. Em mar pequeno, é impossível prever um vencedor.
A surpresa nada surpreendente, vai ser ou o Bourez ou o Saca (raio do patriotismo !!). Um resultado que vai surpreender vai ser o do Jordy, sem dúvida. Fanning vai desiludir bem como o Adriano De Souza.

Suponho que esteja a arriscar um pouco com estas previsões mas quem sabe, talvez acerte. O que acham ?

Em baixo, Heiarii Williams
Com a vitória nos trials do Billabong Pro Teahupoo, o local Heiarii Williams ganhou entrada no main event da prova do WT.
P.S. O que é engraçado é que se o Tiago Pires ganhar o seu heat do round 1, vai surfar contra o Slater no round 2. Creepy. Afinal isto está errado, obrigado ao Daniel pela correcção. Logo veremos quem será que vai defrontar o Tiago no round 2 porque sim, o Tiago vai passar..

05/05/2009

Sally Fitzgibbons à Surfing Magazine

Recentemente a conceituada revista americana Surfing entrevistou a rookie do WWT e uma das melhores surfistas do mundo, Sally Fitzgibbons, sobre a sua recente vitória no de 6* do WQS feminino que aconteceu em Portugal entres os dias 1 e 3 de Maio.

À parte de ser uma entrevista normal, a dada altura a jovem australiana de 18 anos responde de uma forma engraçada a uma pergunta da revista. Aqui vai o tal excerto da entrevista :

"Surfing Magazine - What would say was the highlight of the event?

Sally Fitzgibbons - The highlight of the trip would have to be eating one of the best Portuguese tarts of all time [laughs]. It was an amazing feeling to take out the event—it was definitely a memorable one, everyone was pushing each other and surfing extremely well. It was a highlight just to be a part of the event and scoring the waves we did. We also took off up the coast looking for waves without a map on one of the days, and we got so lost we ended following the sun looking for the ocean…it was hilarious."

É engraçado como nós passamos grande parte do nosso tempo a pensar em viajar para fora de Portugal e uma surfista muito bem viajada chega a Portugal e se perde na nossa costa. Será que, embora já saibamos que para ir para a Costa apanhamos a A2 e depois a Via Rápida ou que para ir para Carcavelos podemos envergar pelo Marginal, não podemos simplesmente fazer como a Sally e sem um mapa partir à descoberta ? Mesmo que conheçam todas as praias à volta da vossa região, não conhecem de certeza todas as praias de Portugal. Convido-os a perderem-se na nossa costa, tal como eu irei fazer num destes fins-de-semana de Maio, e terem a vossa experiência do nosso país tal como a Sally teve a dela..

Em baixo, Sally Fitz a destruir uma onda da Bafureira durante o Estoril Billabong Girls que decorreu em Portugal.

Continuando no meio fotográfico...

Aqui deixo o link, para quem ainda não teve a oportunidade de visitar o "site" de Ricardo Bravo: http://www.ricardobravo.com/pt.html (mesmo para quem já visitou, nunca é demais).

Um "site" muito bem conseguido, e um portfólio espectacular, que reflecte o reconhecimento e o grande trabalho deste fotógrafo.

04/05/2009

André Cameron (Ondaslokas)


Dia 20 de Agosto de 2007, mais uma matinal, daquelas em que no dia anterior telefono ao Diogo e combinamos apanhar o primeiro autocarro do dia para a Costa da Caparica, no Areeiro.
Chegamos bem cedo à praia do Barbas, onde decidimos entrar, pois aí se encontravam os melhores picos. Não havia a questão do "crowd" - era mesmo muito cedo, provavelmente umas 6:30/7 da manha, a melhor altura do dia para surfar!
À medida que as horas passavam, mais populado ficava o pico, que se encontrava num óptimo dia, com o seu metro offshore bem perfeito.
Uma boa surfada, ainda me lembro de muitas das ondas desse dia, mas do que mais me recordo é de um outro episódio em particular:
Ao sair de água, já não era tal o cansaço e o "crowd", subo as escadas do canto da praia, mesmo junto ao (agora antigo) restaurante do Barbas, sou abordado por um indivíduo que estava ao cimo das escadas, com o seu equipamento fotográfico. É-me entregue um pequeno cartão com um endereço de um "site", ao que se seguiram as respectivas apresentações e uma curta conversa entre ambos, na qual, me foi explicado o "esquema" de todo aquele projecto.
No fim do dia, mal cheguei a casa, fui de imediato ao computador e acedi ao "site", cujo endereço vinha no tal cartãozinho. Aí encontrei umas quantas fotografias minhas a surfar o que, obviamente, me deixou extremamente satisfeito, não só pelas fotografias em si, que inclusive estavam com bastante qualidade, mas também pelo espírito do fotógrafo, André Cameron.

Tal como me tinha sido explicado, o site é actualizado cada vez que o tal fotógrafo faz uma sessão fotográfica, formando assim várias galerias, nas quais se encontram uma grande quantidade de fotografias do respectivo dia, de todos os praticantes de desportos de ondas que exerciam a dita actividade no local em que o fotógrafo decidiu realizar a sessão.
Este projecto conta já com mais de dois anos de vida, e tem tido um enorme sucesso.
Desde já os meus parabéns ao fotógrafo André Cameron, que leva a cabo este projecto apenas por puro prazer.
Deixo aqui o link para a galeria do 2º aniversário do "Ondaslokas", que conta com um pequeno texto de André Cameron e um conjunto de fotografias selecionadas pelo próprio. Passem por lá, vale a pena!
http://ondaslokas.smugmug.com/gallery/7573189_ce4Em#489583591_svzf4

Boas Ondas!

02/05/2009

Surf Portugal vs Onfire Surfmag

(não se assustem com o tamanho do post, é de fácil leitura...)

Talvez uma das discussões mais pertinentes e talvez um pouco tabu do surf português é a que envolve as duas revistas que dominam o mercado jornalístico surfistico português, a Surf Portugal e a Onfire Surfmag. Qual a mais irreverente? Qual a melhor em fotografia? Qual a melhor em reportagens? Qual a que cobre melhor os eventos internacionais e nacionais? Qual delas tem secções mais interessantes? Qual a mais original? E, sobretudo, qual a melhor?
É uma discussão importante e que a meu ver não deve ser esquecida, na medida em que, uma das maneiras das coisas evoluirem e melhorarem é através da crítica constructiva e é isso que vou procurar fazer. Não sou adepto da crítica barata nem procuro publicidade com ploémicazinhas que não fazem andar nem deixam andar.

A meu ver e quero sublinhar isto, esta é a minha opinião, penso que o mercado de revistas de Surf em Portugal podia ser bastante melhor. Isto porque as duas revistas, para as potencialidades que o mercado do surf aparente ter, podiam fazer muito mais. Ora passemos a uma análise mais detalhada :
Pensando em crónicas e rubricas de cronistas, a Surf Portugal leva claramente vantagem, com nomes como Miguel Ruivo, Júlio Adler e Pedro Adão e Silva a escrever. A Onfire nem está muito focada neste tipo de "jornalismo", pelo que não apresenta este tipo de texto e, portanto, nada tenho a apontar.

No que toca à originalidade das crónicas, a Surf Portugal destaca-se. Só para dar um exemplo, há algo na escrita do Gonçalo Cadilhe que me faz querer ter a vida dele, ser viajante "profissional" e me faz sonhar com aqueles lugares aparentemente paradisiacos que ele visita.

(Gonçalo Cadilhe numa das suas viagens)

Nas reportagens, a Surf Portugal de vez em quando apresenta umas reportagens feitas de raiz bastante interessantes. Contudo, tenho vindo a descobrir que muitas das outras reportagens são "cópias/traduções/adaptações" da Surfer e Transworld Surf americana, o que me desilude pois penso que não há necessidade de fazer isso. E para provar que não existe essa necessidade, existe a Onfire Surfmag (que talvez por ser bimestral) consegue sempre fazer umas reportagens nacionais, seja com alguns dos melhores juniores portugueses (como acontece na última edição, Março-Abril) seja com uma entrevista em jeito de reportagem (ou vice-versa) à dupla de treinadores Raimundo-Telmo na edição de Março-Abril de 2008, que são muito originais e divertidas e permitem ao leitor alguma distracção mais light sem pretensões filosóficas ou qualquer outra coisa muito pseudo. Nisto a Onfire ganha muitos, muitos pontos. A Onfire ganha também pontos com umas pequenas rubricas, como a dos pequenos perfis de jovens surfistas "Checkout", pequenas entrevistas "DNA, últimas palavras" e algumas trick tips numa rubrica chamada "Slowmotion" que me parece que acabou (o que é pena). Ao que a Surf Portugal responde, bem, com as rubricas "Take Off", "Agueiro", "Quando eu for grande..", "Man-on-man" e até o "Livro de Estilo" mas o choque das cópias-traduções é demasiado vivo.. É um empate.
A nova rúbrica da Onfire Surfmag chamada "Destinos" (obrigado pela correcção) também valorizou esta revista. Por outro lado e apesar das crónicas de Gonçalo Cadilhe darem esse plano de viagens, tenho pena que a Surf Portugal tenha há já algum tempo perdido uma rúbrica chamada "Na rota das ondas" que aconselhava viagens e dava algum know-how para as fazer (talvez um pouco ao estilo da Surfer....).
Na escrita e a meu ver, a Surf Portugal apresenta uma boa escrita, clássica, fria (no bom sentido) e muito bem trabalhada o que às vezes dá um peso extra aos seus textos (quer para o bom, quer para o mau) e que faz da revista um verdadeiro monumento do surf português e um valor seguro para qualquer novo-surfista ou novo-interessado em saber mais sobre o surf nacional. A Onfire Surfmag, apresenta uma escrita divertida, incoformada e descomplexada, irreverente e jovem, pensada no seu principal público-alvo.
Relacionado com o surf mas não directamente, gosto que (e de acordo com o apresentado nas últimas edições das duas revistas em análise) ambas tenham passatemos e giveaways, recomendações e apresentações de novos produtos de surf e relacionados, espaços para as cartas dos leitores, novos lançamentos musicais e novos dvds e livros.

Marcelo D2 é o entrevistado musical desta edição da Surf Portugal

E agora vamos a um ponto crucial desta análise, a cobertura dos eventos de surf. Há Onfire SurfMag, nem se pode pedir muito visto que é uma revista bimensal e a maior parte das coberturas vão estar desactualizadas na altura da publicação da revista (o que a Onfire compensa com o seu site...mas já lá vamos...). A Surf Portugal, visto que é uma revista mensal, já podia fazer uma cobertura melhor, contudo, não o faz e não diz nada que o leitor já não tenha visto ou lido consultando o site dos eventos ou a cobertura dada por sites como o Surftotal, a FPS, o Beachcam e até alguns blogs amadores. O que é pena visto que a Surf Portugal tem bons credenciais para poder chegar e até mesmo contar algumas histórias de backstage, pelo menos dos eventos de surf em Portugal e assim enriquecer as suas coberturas para além de satisfazer os seus leitores.

Em termos de fotografia, nada a dizer, os fotógrafos são basicamente os mesmos e a qualidade é bastante boa em ambas as revistas.

Uma coisa muito boa que a Onfire tem, é a Girlz que se foca totalmente no surf feminino, apresentando visões femininas sobre o surf, algo que falta completamente à Surf Portugal.


Em termos de grafismo da revista, ou seja, o seu aspecto exterior, gosto do recente make-over da Surf Portugal que a valorizou bastante e a tornou ainda mais atractiva. A Onfire, está muito bem encaminhada e está cada vez melhor no seu aspecto gráfico e design, embora ainda longe da Surf Portugal. No fim de contas, a Surf Portugal é aquela revista clássica, a mais antiga e, portanto, um bocado rendida aos nomes do costume, nas ondas do costume, com os textos do costume, o que às vezes a faz um pouco aborrecida. Contudo, é sempre um valor seguro e uma revista obrigatória a qualquer surfista. A Onfire é uma boa tentativa de acrescentar alguma irreverência e tal e até acho que está a caminho disso, apresentando um grafismo jovem e original em Portugal, para além de textos muito bem dispostos e bem humorados.

Tinha também pensado em analisar os sites de ambas as revistas mas este post já está a ficar com dimensões monumentais pelo que irá aparecer aqui no blog no decurso da semana que aí vem, podem, então, ficar à espera.


Em baixo, as últimas edições das revistas em análise !