22/04/2009

Hoje e para sempre, eu vou lutar pelo surf !

Criado num ambiente se calhar algo típico português, o futebol foi sempre algo muito presente na minha vida. Desde criança que me lembro de ir ao estádio, de me sentar no sofá com o meu pai e avô e os ouvir a criticar (e gritar) com "a bola". Bebia aquelas palavras como água num dia quente de Verão, era uma criança. Fui crescendo e comigo cresceu também a paixão pelo futebol, o jogo das três equipas em campo era a minha vida, o meu pão . Via todos os jogos, sabia todos os jogadores, todas as tácticas, era uma criança. Por volta dos meus 12/13 anos experimentei surfar (após uma tentativa gorada aos 8 anos que a minha mãe aterrorizada não deixou que fosse mais que uma tentativa). Vou cair num cliché: surfar foi para mim o cúmulo da pureza. Era um grupo de amigos e um professor em dias de calor e frio a serem motivado a ir para dentro de água, do mar. Um dia, intrigado sobre se era possível algo mais puro que o futebol, resolvi perguntar ao meu pai :
- Pai, o futebol é puro? Pai, o futebol são um grupo de amigos a divertirem-se?
O meu Pai, incondicionável "futebolista", respondeu " Dá atenção ao jogo de fora de campo mas não dês demasiada, não te vás desiludir". Eu era ainda muito pequeno e não percebi o que ele quis dizer.
Prossegui a minha vida, conciliando surf e futebol. Até que dada altura, já mais velho, comecei a receber e ler as histórias de balneário, percebi o que ele quis dizer. O futebol é uma imundice, uma conciliação de interesses, falta de amor à camisola, dinheiro, corrupção, esquemas, merdas. Desiludi-me. Comecei a levar o surf a sério visto que o futebol para mim tinha perdido todo o seu valor, o seu néctar, tinha desabado. Tinha mais tempo para o surf.
Surfei, surfo e nunca deixarei de o fazer pois, felizmente, existe o freesurf. Contudo, sou um apiaxonado pelo surf competitivo, por métodos de treino, pelo WCT, pelo Nacional Open, pelo Esperanças, pelo treio do Slater e do gajo mais mal qualificado do WQS, pela prestação de Portugal lá fora. Mas sempre do ponto de vista do observador (jamais terei estaleca para competir em surf que não seja entre amigos). Hoje, dia do meu aniversário, 22 de Abril, passei pelo Ondas. Li e reli uma série de comments e posts que por lá apareceram e triste e preocupado com o rumo, algo familiar que as discussões estavam a levar, resolvi fazer um apelo. Por favor, não deixem o surf enverdar pelo caminho do futebol, é demasiado puro.. É uma paixão maior do que o futebol alguma vez será (visto que surf é também um modo de vida) e como tal, não vou desistir dele ! Vou lutar pelo surf, pelo surf competitivo, por um surf livre de pressões de marcas e de condenações antes do tiro da partida, por um surf onde o trabalho de fundo é reconhecido mas onde existe a humildade para aqueles que tiveram apoios desde o ínicio, poderem estar bem com eles próprios não sendo constantemente alvos de outros que no fundo, os invejam ! Hoje e para sempre, eu vou lutar pelo surf.

2 comentários:

João Leal disse...

Epá, tenho pena que este blogue não tenha tanto acompanhamento como o Ondas.

Este é mais um texto bem escrito e repleto de boas ideias, com tom intimista o quanto baste.

Parabéns Diogo, pelo teu aniversário e pelo blogue, que certamente caminha no bom sentido da notoriedade!

E, já agora, assino por baixo em 90%. Há um pouco da pureza do surf que fica em terra, quando a "localidade" e a experiência se sobrepõem ao prazer de partilhar um line-up com amantes da modalidade. Mas nada é perfeito.

Grande abraço,

João Leal

Diogo Alpendre disse...

Caro João, acima de tudo obrigado pelas tuas palavras. São uma motivação extra neste mundo do surf.

Quanto à notoriedade, pois não sei o que te diga. Se ela vier,que venha. Se não vier, que não venha. Vou ser a mesma pessoa e escrever do mesmo modo, não me iludo pela fama. Já tive oportunidades para a ter e nunca me deixei levar, nisso tenho os pés bem assentes no chão.

Infelizmente, tens razão, nada é perfeito mas se calhar não é preciso ser, desde que possamos lutar por que seja, mantendo-a limpa.

Grande abraço e vai passando.

P.S.Obrigado por ambos os parabéns.